Obama deve anunciar reformas na forma de atuação da NSA

Por Redação | 06 de Janeiro de 2014 às 16h01

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, parece estar prestes a anunciar uma série de reformas na forma de atuação da NSA, a Agência Nacional de Segurança dos Estados Unidos. De acordo com informações do jornal Los Angeles Times, o governante estaria disposto a colocar um representante público na corte responsável por aprovar pedidos de setores por dados sigilosos.

A FISC, ou Corte de Vigilância em Inteligência Estrangeira, atende principalmente ao FBI e à NSA no que toca operações de vigilância a suspeitos atuando dentro de solo americano. O órgão é composto apenas de membros do próprio governo, que deliberam em sessões secretas, e deve ganhar um defensor público para servir de ponte entre os interesses da população e a administração dos EUA.

Além disso, fontes anônimas ouvidas pelo LA Times afirmam que Barack Obama estaria disposto a transferir o controle de dados telefônicos sigilosos a empresas privadas, removendo-os do comando da NSA. Além disso, a ideia é obrigar a agência a possuir a aprovação de um juiz sempre que requisitar acesso a dados sigilosos de residentes nos EUA.

Assista Agora: Saiba quais são os 5 maiores problemas das empresas brasileiras e comece 2019 em uma realidade completamente diferente.

A proposta teria sido analisada por Obama durante todo o recesso de final de ano e poderia ser anunciada nos próximos dias. Antes de deixar Washington, o presidente afirmou à imprensa que o governo dos Estados Unidos leva a sério a privacidade de seus cidadãos e tomará medidas para recuperar a confiança da população.

As atividades da NSA sofreram um duro baque após as revelações de Edward Snowden, um ex-analista contratado pela agência. Ele vazou documentos relacionados a operações de espionagem e forte vigilância do governo dos Estados Unidos não apenas a nações consideradas inimigas, mas também ao próprio povo americano.

O esquema de espionagem, inclusive, é motivo de preocupação para os próprios congressistas. Em carta aberta, o senador Bernie Sanders, do estado de Vermont, questionou se a vigilância também se estendia aos membros do próprio governo dos Estados Unidos. Em breve resposta à imprensa, a NSA afirmou que os políticos possuem os mesmos direitos à privacidade que qualquer outro cidadão americano, mas não negou que eles também estivessem sendo observados.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.