NSA pode acessar 75% de todo o tráfego de internet dos EUA

Por Joyce Macedo | 21 de Agosto de 2013 às 12h30

Novos detalhes mostram que a Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA) pode acessar muito mais dados do que havia admitido anteriormente. Recentemente, a NSA divulgou um documento de sete páginas no qual afirma ter acesso a apenas 1,6% de todo o tráfego de internet, mas na verdade ela tem acesso a 75% de todo o tráfego nos EUA.

Os dados provêm das principais redes de Internet do país, e a maioria das principais empresas de telecomunicações ajuda a recolher informações. A afirmação foi feita pelo The Wall Street Journal, que alega ter baseado a informação em entrevistas com funcionários atuais da Agência e também ex-funcionários do programa de vigilância da NSA.

O relatório divulgado pelo jornal na última terça-feira (20) disse ainda que os vários programas em vigor com cada uma das companhias de telecom têm os seus próprios nomes que servem como códigos – incluindo Blarney, Fairview, Oakstar, Lithium and Stormbrew. Apesar de alguns desses programas terem sido mencionados nos documentos vazados inicialmente por Edward Snowden ao The Guardian, o WSJ disse que seu relatório descobriu mais detalhes sobre a extensão de cada um deles.

A vigilância realizada pela NSA e outras agências já é um fato, mas até então a suposição era de que a maior parte dessa espionagem de dados acontecia por meio de cabos submarinos e outros importantes pontos de entrada da rede nos Estados Unidos. Mas, o WSJ diz que, de acordo com os funcionários anônimos da Agência, a operação contava com a ajuda dos responsáveis pelas principais redes do país.

A NSA pede às empresas de telecomunicações para enviar os fluxos de tráfego de internet que acredita que seja mais provável encontrar informações sobre ameaças estrangeiras ou terroristas. Em seguida, a Agência copia e filtra os dados com base em alguns itens seletores – como endereços de e-mails ou blocos de endereços de computadores.

Esquema espionagem NSA

Esquema de espionagem da NSA de acordo com o WSJ (Imagem: The Wall Street Journal)

Alguns desses programas relacionados as empresas de telecom já foram revelados em outros momentos ao longo dos últimos anos, incluindo um sistema criado com a ajuda da AT&T em São Francisco e denunciado por Mark Klein em 2006. O Wired relembra que o programa atuou entre 2001 e 2011 e reencaminhava o tráfego global de Internet da operadora para salas secretas do governo norte-americano. Na época, os dados enviados incluíam metadados, endereços de IP e sites visitados.

Um ex-executivo da operadora de telecomunicações Global Crossing também falou com o The Wall Street Journal e disse que o controle dos programas de vigilância da NSA depende de empresas de telecomunicações para policiar seus sistemas. "Não há nada que impeça tecnicamente e fisicamente um sistema de vigilância muito mais amplo", disse ao jornal.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.