NSA está interceptando todos os telefonemas no Afeganistão

Por Redação | 23 de Maio de 2014 às 15h07

O WikiLeaks se uniu mais uma vez ao esforço de divulgação de provas de espionagem realizada pela NSA, afirmando agora que a agência intercepta praticamente todas as chamadas telefônicas realizadas no Afeganistão. O trabalho, segundo o site, é realizado sejam os usuários suspeitos de terrorismo ou não e integra o programa de metadados da agência.

Informações sobre esse assunto já haviam sido publicadas no início da semana pelo The Intercept. Na ocasião, o veículo disse que o órgão coletava todas as ligações realizadas nas Bahamas e em um segundo país, que não seria divulgado para evitar riscos às tropas localizadas nele e garantir que não haja uma escalada da violência no território.

O WikiLeaks, porém, refuta tais alegações, afirmando que a NSA já utilizou esse tipo de argumento para tentar evitar a revelação de dados sigilosos anteriormente. De acordo com o site, que revela documentos confidenciais com certa frequência, todas as chamadas locais e internacionais no Afeganistão são coletadas pela agência de segurança nacional mesmo que não exista nenhum tipo de indício contra os usuários grampeados.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

O mesmo programa de coleta de dados seria aplicado em nações como o México, Quênia e Filipinas, mas de forma menos ostensiva. Ainda assim, o trabalho constitui flagrantes violações de privacidade dos cidadãos, já que a coleta acontece de maneira indiscriminada e, como se tornou comum, sem ordens judiciais.

Para o WikiLeaks, informações desse tipo já foram vazadas antes e não houve o tal aumento de violência, por isso a organização julga que esse é o mesmo caso de agora. Além disso, cita seus anos de experiência com ameaças e afirmações falsas como estas, normalmente utilizadas para evitar a publicação de material sigiloso.

Além disso, na declaração, o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, categorizou a tentativa de ocultar a informação como um ato de censura. Segundo ele, não é dever da imprensa proteger os Estados Unidos ou o Afeganistão. Para ele, negar aos cidadãos daquele país o direito de saber que estão tendo sua privacidade violada é compactuar com as práticas ilegais que estão sendo utilizadas pelo governo.

As novas informações se assemelham às divulgadas anteriormente e citam um programa capaz de capturar 100% das ligações realizadas, que ficam disponíveis para serem ouvidas por analistas por até um mês após sua realização. Nas Bahamas, a operação buscava traficantes de pessoas e drogas, enquanto no Afeganistão, como já dá para imaginar, a ideia é combater o terrorismo, apesar de não existirem relatórios comprovando que esse seria efetivamente o caso.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.