NSA ajudou a escrever parte do código do Android, afirma jornalista

Por Redação | 15 de Julho de 2013 às 14h00

Em meio a diversas notícias a respeito da Agência Nacional de Segurança (NSA) dos Estados Unidos e seu projeto secreto de espionagem que vigia a comunicação de cidadãos norte-americanos e até mesmo estrangeiros, algo chamou a atenção e despertou ainda mais desconfiança em relação aos serviços de tecnologia: o sistema Android contém um código escrito pela NSA.

Mas os usuários do sistema operacional móvel não precisam se desesperar, pois as contribuições de código feitas pela NSA são acessíveis ao público, afinal trata-se de um código aberto, o que torna difícil a inserção de uma espécie de vulnerabilidade secreta de espionagem.

O jornalista Mark Milian, da Businessweek, foi quem divulgou a contribuição da NSA para o sistema operacional do Google. De acordo com Mark, funcionários da Agência disseram que o seu código isola aplicativos para impedir que hackers e anunciantes tenham acesso a dados pessoais ou corporativos armazenados em um dispositivo Android. "Nosso objetivo é elevar o nível de segurança dos dispositivos móveis", disse o pesquisador da NSA, Stephen Smalley. Jim Zemlin, diretor executivo da Linux Foundation, também sai a favor do OS do Google e diz que a NSA não adicionou nenhum meio óbvio de espionagem. "Este código foi revisado por um monte de gente", disse.

Vanee Vines, porta-voz da agência de segurança, tenta tranquilizar os usuários explicando que "o código fonte está disponível ao público para que todos possam usar, e isso inclui a possibilidade de rever o código linha por linha". A parte do código escrita pela NSA já foi incorporada à última versão do Android que roda em dispositivos como Samsung Galaxy S4 e HTC One.

Mas, se nenhuma dessas declarações foi o suficiente para convencê-lo de que seu Android está livre das espionagens do PRISM, saiba que existem alternativas. "A Apple não aceita o código-fonte das agências do governo para nenhum de seus sistemas operacionais ou outros produtos", disse Kristin Huguet, porta-voz da empresa.

Entre as diversas empresas de tecnologia que tiveram seu nome envolvido com o programa PRISM está o Google. Porém, após o escândalo que explodiu em todo o mundo, o gigante da web está tentando provar que não é "cúmplice" do esquema de espionagem do governo, e para isso entrou com um pedido junto ao tribunal para divulgar quais tipos de informações o governo havia solicitado para a empresa de Mountain View. Em relação à contribuição da NSA para o Android, a Agência diz que está tranquila e o Google diz que qualquer um tem o direito de escrever códigos para seu OS.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.