Ministério de Minas e Energia foi alvo de espionagem de agência canadense

Por Redação | 07 de Outubro de 2013 às 15h42

Um documento revelado por uma reportagem do Fantástico mostrou que o Ministério de Minas e Energia foi alvo de espionagem da Agência Canadense de Segurança em Comunicação (CSEC).

A CSEC teve como mira a rede de comunicações do ministério, incluindo telefonemas, e-mails e uso da internet, que foi completamente mapeada. Os documentos foram revelados por Edward Snowden, o ex-analista da agência NSA que revelou ações da inteligência americana e que está hoje exilado na Rússia, e entregues ao jornalista americano Glenn Greenwald, que ajudou no levantamento das informações neste caso.

Edward Snowden

Edward Snowden

Um programa de computador chamado Olympia fez o mapeamento das comunicações telefônicas do ministério, além do uso de e-mails. Há registros de ligações para outros países, como Peru, Equador e África do Sul.

O que foi espionado

O objetivo da espionagem era descobrir informações de empresas como a Petrobrás e Eletrobrás, diretamente relacionadas com o Ministério de Minas e Energia. Eles foram capazes de identificar informações como número de celulares, registro de chips e até as marcas e modelos dos celulares.

A apresentação vazada por Snowden foi exibida em junho de 2012 em uma conferência que reunia analistas de agências de espionagem de cinco países, incluindo Inglaterra, Estados Unidos, Austrália, Nova Zelândia e o próprio Canadá.

Aparentemente, o conteúdo das ligações não foi revelado, apenas o histórico de quando, onde e para quem foram feitas. No entanto, a apresentação sugere ao final que entre os "próximos passos" estaria realizar a operação chamada de "man on the side" (homem ao lado), para tentar extrair toda informação que entrasse e saísse da rede do ministério.

Acesso a informações sigilosas

Os servidores do Ministério de Minas e Energia são armazenados em uma sala-cofre, com parede de aço e a prova de desastres, incluindo fogo. Os dados são todos criptografados.

Os servidores são utilizados para comunicações com a Agência Nacional de Petróleo (ANP), a Petrobrás, a Eletrobrás, a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) e com a presidente Dilma Rousseff. Lá estão dados de conversas estratégicas e informações sigilosas sobre estratégias do governo.

Essas informações podem ser utilizadas por empresas que queiram concorrer a leilões de blocos de operação e produção do pré-sal, por exemplo. Elas poderiam saber o que vai ocorrer antecipadamente, em um jogo econômico de bilhões de dólares.

Repúdio do governo brasileiro

O ministro Edison Lobão afirmou que as ações de espionagem são dignas de repúdio por parte do governo brasileiro, opinião também compartilhada por Dilma Rousseff:

"Eu acho que configura um fato grave que merece repúdio. Aliás, a presidente Dilma já o fez amplamente na ONU", disse o ministro.

Edison Lobão

Edison Lobão, ministro de Minas e Energia (Ueslei Marcelino/Reuters)

Recentemente, foi revelado que a presidente e seus assessores também foram alvos de espionagem da NSA. Na ocasião, o ministro da Justiça José Eduardo Cardozo deu a seguinte declaração:

"Se forem comprovados esses fatos, nós estamos diante de uma situação que é inadmissível, inaceitável, porque eles qualificam uma clara violência à soberania do nosso país. O Brasil cumpre fielmente com suas obrigações e gostaria que todos os seus parceiros também as cumprissem e respeitassem aquilo que é muito caro para um país, que é a sua soberania".

O embaixada do Canadá em Brasília não se manifestou sobre o caso, assim como a CSEC, afirmando que não comenta atividades da inteligência no exterior.

A presidente Dilma Rousseff usou sua conta oficial do Twitter esta manhã para afirmar que o Itamaraty vai exigir explicações do Canadá: "A espionagem atenta contra a soberania das nações e a privacidade das pessoas e das empresas", disse em um tweet. "É urgente que os EUA e seus aliados encerrem suas ações de espionagem de uma vez por todas".

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.