Microsoft oferece à NSA acesso a e-mails e chamadas em vídeo, diz jornal

Por Redação | 12 de Julho de 2013 às 14h18
TUDO SOBRE

Microsoft

Novos documentos e revelações sobre o programa de espionagem PRISM conduzido pela Agência Nacional de Segurança (NSA) dos Estados Unidos não param de surgir. Dessa vez, os documentos divulgados por Edward Snowden, ex-funcionário da NSA, colocam a Microsoft em maus lençóis, ao afirmar que a companhia oferecia aos agentes de inteligência acesso a e-mails, chamadas de vídeo, entre outras informações de seus usuários, como revela nova reportagem do The Guardian.

A reportagem afirma que a Microsoft quebrava a criptografia dos seus próprios serviços para garantir o acesso dos agentes ao Outlook.com, ao extinto Hotmail, ao SkyDrive e até às mensagens e chamadas de vídeo compartilhadas pelo Skype. O acesso fornecido aos serviços se encontrava em estágio pré-criptografado e os agentes da NSA eram capazes de ler até as mensagens trocadas por meio dos chats.

Os documentos mostram que a agência norte-americana ficou preocupada com o lançamento do Outlook.com e com seu acesso às mensagens criptografadas. Mas, arquivos datados de 26 de dezembro de 2012 revelam que a Microsoft trabalhou ao lado do FBI no desenvolvimento de uma ferramenta que continuasse a garantir o acesso aos bate-papos criptografados de chats.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Depois de meses de trabalho conjunto entre a gigante do software e o FBI, em abril deste ano, os agentes do programa PRISM começaram a ter acesso aos documentos arquivados e compartilhados no SkyDrive. E, nove meses após a compra do Skype pela Microsoft, o serviço de chamadas em vídeo ficou mais vulnerável ao monitoramento do governo norte-americano.

Em comunicado oficial, a Microsoft nega mais uma vez qualquer participação ou ajuda ao programa PRISM, afirmando que apenas fornece os dados de seus usuários "em resposta a exigências governamentais, e apenas de usuários ou contas específicas". Outras companhias como Apple, Yahoo!, Facebook e Google também são acusadas de fornecer acesso aos seus servidores para o programa de espionagem, algo que negaram veementemente assim que os primeiros documentos foram divulgados.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.