Huawei pode deixar mercado norte-americano, diz jornal

Por Redação | 03.12.2013 às 11:35

A Huawei é acusada de ciberespionagem em nome do governo chinês pelos Estados Unidos há anos. A empresa sempre negou tais afirmações, dizendo que a informação não procede e não é embasada em provas.

Porém, parece que a empresa chinesa teria desistido de tentar se defender e estaria deixando o mercado norte-americano. Pelo menos foi o que Rhen Zhengfei, CEO da Huawei, teria dito ao jornal francês Les Echos na semana passada. "Se a Huawei ficar no meio das relações Estados Unidos-China", e causar problemas, "não vale a pena", teria afirmado Ren.

Procurada pelo CNET, a companhia deu uma declaração, porém, sem deixar claro sua posição. "Continuamos comprometidos com nossos clientes, funcionários, investimentos, operações e mais de US$ 1 bilhão em vendas nos Estados Unidos", disse um porta-voz. "Estamos prontos para entregar competição adicional e soluções inovadoras, como desejados por clientes e permitido pelas autoridades", completou.

Vale lembrar que no ano passado o Comitê de Inteligência dos Estados Unidos emitiu uma carta à Huawei afirmando estar preocupada com seus vínculos a militares e o governo chinês. A própria Casa Branca teria feio uma revisão dos riscos de segurança, porém, sem encontrar alguma evidência de espionagem.

No entanto, a relação da Huawei e o governo dos Estados Unidos já está estremecida. Em abril, um executivo da Huawei disse que não haveria margem de crescimento para a empresa no mercado norte-americano, em parte, graças aos conselhos dos Estados Unidos para os usuários terem cautela ao adquirir um produto da marca. Já em julho, a NSA (Agência Nacional de Segurança) disse que a chinesa espiona seus usuários em diversos países e repassa dados para o governo da China.