Governo dos EUA volta a culpar a China por ataques hackers

Por Redação | 13 de Junho de 2014 às 09h27

Em mais um extenso relatório, o governo dos Estados Unidos voltou a acusar a China de realizar ataques cibernéticos contra empresas de infraestrutura norte-americanas, mais especificamente aquelas que operam nos setores de comunicação, satélites ou produtos aeroespaciais. As conclusões foram obtidas pela Crowdstrike, uma firma de segurança contratada para realizar checagens do tipo, e divulgadas pelo The Daily Dot.

De acordo com a companhia, o rastreamento de alguns IPs levou os especialistas da empresa a uma conta no serviço de hospedagem de imagens Picasa. Nas fotos, que não foram divulgadas, um dos supostos responsáveis aparece vestido com o uniforme do Exército de Libertação Popular. Além disso, um álbum com o título “Office” parece mostrar o interior do edifício de onde as tentativas de invasão teriam sido realizadas.

Os ataques teriam sido baseados em falhas de segurança conhecidas de softwares como o Adobe Reader e o Microsoft Office. Todos teriam sido rastreados de volta para um edifício em Xangai conhecido como PLA 61486. Como a sigla já diz, se trata de uma instalação do Exército de Libertação Popular, que abrigaria mais uma unidade da equipe cibernética do governo chinês.

A divulgação do relatório acontece após uma grande apresentação realizada pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos. No final de maio, o governo anunciou o indiciamento de cinco chineses por espionagem digital e realização de ataques cibernéticos também contra empresas de infraestrutura. Na época, os EUA solicitaram a extradição dos responsáveis, um pedido que, claro, não foi acatado.

Essa também não é a primeira vez que uma base do Exército de Libertação Popular é identificada como centro de ataques hackers. Em fevereiro, outro relatório governamental indicou o PLA 61398, também em Xangai, como fonte de tentativas de invasão direcionadas a oficiais norte-americanos. Na época, a China negou tais acusações e, inclusive, chamou o governo dos EUA de hipócrita por também realizar ações desse tipo contra o país asiático.

A troca de acusações tem azedado cada vez mais as negociações diplomáticas entre China e Estados Unidos. Após o indiciamento de seus cinco oficiais, o país asiático cortou completamente todos os laços com um acordo de integração digital que vinha sendo trabalhado entre ambas as nações. Na época, Xangai afirmou também que esse é apenas o primeiro passo de um distanciamento diplomático que deve ser visto também em outras áreas não relacionadas ao digital.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.