Governo brasileiro espionou diplomatas de três países, segundo relatório da ABIN

Por Redação | 04.11.2013 às 17:30
photo_camera Divulgação

Surgem na imprensa nacional algumas atividades do Brasil relacionadas a espionagem. De acordo com matéria publicada na Folha de São Paulo, usando como fonte um relatório da ABIN – Agência Brasileira de Inteligência –, o governo brasileiro monitorou diplomatas de três países no início da década passada. Em 2003, a Agência destacou profissionais para acompanhar a rotina de diplomatas russos que vieram ao Brasil para participar de negociações de equipamentos militares. Ainda em 2003, outra equipe foi responsável por acompanhar diplomatas iraquianos e registrar suas atividades tanto nas embaixadas quanto em suas casas, e, em 2004, foi a vez de funcionários da embaixada do Irã ficarem sob vigia para que fosse possível identificar os contatos deles no Brasil.

Ainda de acordo com a Folha, o Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, que tem a ABIN sob sua subordinação, confirmou a veracidade das informações, mas afirmou que todas as atividades foram realizadas como operações de contrainteligência, objetivando proteger segredos do Estado brasileiro. O gabinete também fez questão de ressaltar que todos os procedimentos foram executados de acordo com a legislação brasileira.

No entanto, uma matéria veiculada no Terra destaca que o Blog do Planalto, na manhã desta segunda-feira, informou que "respeitando os preceitos constitucionais de liberdade de imprensa, o GSI ressalta que o vazamento de relatórios classificados como secretos constitui crime e que os responsáveis serão processados na forma da lei".