Governo americano espionou empresa chinesa Huawei, diz documentos

Por Redação | 24 de Março de 2014 às 10h40

Mais um capítulo do escândalo de espionagem digital foi revelado esta semana pelo New York Times e o Der Spiegel. De acordo com as publicações, a NSA (Agência Nacional de Segurança), do governo norte-americano, estava infiltrada no servidor principal da Huawei em Shenzhen, na China. Documentos vazados por Edward Snowden mostram que, além de monitorar as atividades dos executivos de alto escalão da empresa, a agência norte-americana era capaz de percorrer a rede de clientes da Huawei, monitorando-os e podendo fazer ataques virtuais. Para os Estados Unidos, a empresa chinesa é considerada uma ameaça de segurança por sua abrangência global e possível ligação com o governo da China.

De acordo com os documentos, o objetivo principal da NSA ao se infiltrar no servidor da Huawei era investigar uma possível ligação entre a empresa e o Exército de Libertação Popular, o braço armado do Partido Comunista Chinês. No entanto, a infiltração não era apenas direcionada aos executivos da Huawei, mas também aos seus clientes. "Muitos de nossos alvos se comunicam através de produtos fabricados pela Huawei", disse um documento. "Nós queremos ter certeza que sabemos como explorar esses produtos" para "ganhar acesso a redes de interesse" ao redor do mundo. Entre os alvos citados estão o Irã, Afeganistão, Paquistão, Quênia e Cuba. No entanto, a agência chegou a ter acesso a clientes em outras partes do mundo, inclusive em países aliados dos Estados Unidos.

Intitulada "Shotgiant", a operação foi inciada em 2009 e chegou a copiar dados de 1.400 clientes da Huawei, além de ter acesso a e-mails e códigos-fontes de seus produtos. As atividades foram conduzidas com conhecimento da Casa Branca e do FBI, mas não conseguiram encontrar evidências de uma ligação da empresa com o governo chinês.

A representante da Casa Branca, Caitlin Hayden, falou que não pode comentar sobre operações específicas fora dos Estados Unidos, mas afirmou que as "operações de inteligência são focadas nas necessidades de segurança de nosso país". Ela ainda garantiu que os dados coletados nessas operações não são entregues a empresas do país.

A Huawei é uma das principais competitoras da empresa norte-americana Cisco e é a segunda maior fornecedora de material de redes no mundo. Ela produz smartphones, tablets, infraestrutura móvel, roteadores WLAN e cabos de fibra ótica. Atualmente, a empresa tem receita de aproximadamente US$ 40 bilhões (R$ 92,92 bilhões) ao ano.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.