Funcionários da NSA espionavam até seus amantes usando o programa do governo

Por Redação | 26.08.2013 às 13:28

Os funcionários da Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA), responsável pela espionagem das comunicações de milhões de pessoas, têm utilizado a mesma tecnologia de segurança do governo para espionar seus amantes. Além de espionar as conversas das pessoas escolhidas pelo sistema por alguma suspeita, o programa também era utilizado pelos funcionários mais ciumentos.

Aqueles que costumavam lançar mão do programa para esse fim tinham até um código para a prática: "Love-int". De acordo com o britânico Telegraph, Dianne Feinstein, senadora que preside o Comitê de Inteligência do Senado norte-americano, disse que seu comitê descobriu um conjunto de "casos isolados" que ocorreram cerca de uma vez por ano nos últimos 10 anos.

A senadora diz ainda que a espionagem não acontecia dentro dos Estados Unidos, apenas quando os amantes viajavam para o exterior – e, possivelmente, as desconfianças e os ciúmes aumentavam. Um funcionário chegou a ser punido por usar os recursos da NSA para controlar um ex-cônjuge.

Na semana passada, novos documentos foram divulgados e mostraram que a NSA tinha quebrado regras de privacidade mais de 3.000 vezes ao longo de um período de apenas um ano. John DeLong, diretor da NSA, disse que esses erros foram, em sua maioria, não intencionais, mas que foram registradas algumas violações intencionais na última década.

"Quando cometemos erros, nós detectamos, nós corrigimos e denunciamos", disse DeLong. A Agência emitiu um comunicado na última semana dizendo que "tem tolerância zero para violações intencionais das autoridades". Mas o que ninguém esperava é que parte dessas "violações intencionais" fosse feita por pessoas apaixonadas que vigiavam seus cônjuges.