Em vídeo de Natal, Edward Snowden diz que 'o que importa é a privacidade'

Por Redação | 26 de Dezembro de 2013 às 15h12
photo_camera Divulgação

Asilado na Rússia desde junho deste ano, Edward Snowden gravou uma mensagem de Natal para o canal britânico Channel 4 alertando os perigos de um sistema de vigilância em massa mundial.

O vídeo já circula nos canais do YouTube das principais agências de notícias do mundo, como CNN e AssociatedPress. O ex-técnico da Agência Nacional de Segurança dos Estados Unidos (NSA) defende que o que importa é a privacidade, pois é ela o que permite determinar quem somos e quem queremos ser. "Juntos, podemos encontrar um equilíbrio melhor. E lembrar o governo que se ele realmente quer saber como nos sentimos, perguntar é sempre mais barato do que espionar. Feliz Natal", disse.

Em entrevista ao jornal The Washington Post - a primeira feita presencialmente desde que se mudou para a Rússia –, Snowden revelou que considera "missão cumprida" o debate causado pela divulgação dos documentos secretos que comprovam a espionagem da NSA contra vários países do mundo. O americano acredita ter vencido após dar à sociedade a chance de decidir se ela deveria mudar a si mesma. "Tudo o que eu quis foi que o público pudesse dizer como quer ser governado", explicou.

Assista ao vídeo de natal de Edward Snowden e veja a tradução da mensagem abaixo, na íntegra:

"Olá, e feliz Natal. Estou honrado de ter a chance de falar com você e sua família este ano.

Recentemente, descobrimos que nossos governos, trabalhando em conjunto, criaram um sistema de vigilância em massa mundial, monitorando tudo que fazemos.

O britânico George Orwell nos alertou do perigo deste tipo de informação. Os tipos de coletores no livro ["1984", obra que narra a fiscalização e interferência do governo nos direitos dos cidadãos] - microfones e câmeras, televisões que nos observam - são nada comparados com o que temos disponível hoje. Temos sensores em nossos bolsos que registram todo lugar para onde vamos.

Pense no que isso significa para a privacidade da pessoa comum. Uma criança nascida hoje vai crescer sem nenhum tipo de concepção de privacidade. Elas nunca saberão o que significa ter um momento privado para si mesmas, um pensamento não registrado, não analisado. E isso é um problema, porque a privacidade importa. Privacidade é o que nos permite determinar quem somos e quem queremos ser.

A conversa que ocorre atualmente vai determinar o nível de confiança que podemos depositar tanto na tecnologia que nos rodeia quanto no governo que a regula. Juntos, podemos encontrar um equilíbrio melhor. Acabar com a vigilância em massa. E lembrar o governo que se ele realmente quer saber como nos sentimos, perguntar é sempre mais barato do que espionar.

Para todos por aí escutando, obrigado, e um feliz Natal."

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.