Edward Snowden persuadiu funcionários da NSA para conseguir senhas

Por Redação | 08 de Novembro de 2013 às 13h04

Edward Snowden, o ex-analista da Agência Nacional de Segurança dos Estados Unidos (NSA) que divulgou o esquema americano de monitoramento global, teria usado credenciais de outros funcionários da empresa para acessar arquivos secretos em uma base de espionagem no Havaí.

Fontes disseram à agência de notícias Reuters que cerca de 20 a 25 empregados não-identificados da NSA forneceram seus dados de login e senha a Snowden. Ele teria persuadido seus colegas dizendo que "precisava das informações para fazer seu trabalho como administrador de sistemas de computador". Os funcionários que ajudaram Snowden foram interrogados e afastados de seus cargos após uma série de investigações do governo dos EUA, revelaram as fontes.

Não está claro qual foi o verdadeiro dano causado pelos profissionais, nem quais regras foram violadas por esses empregados, que não tiveram suas funções divulgadas. Esta seria a pior quebra de segurança na história da NSA nos últimos 61 anos. Funcionários da instituição e do Gabinete do Diretor de Inteligência Nacional não comentaram o assunto.

Assista Agora: Saiba quais são os 5 maiores problemas das empresas brasileiras e comece 2019 em uma realidade completamente diferente.

Snowden, que hoje vive em asilo político na Rússia, trabalhou na unidade do Havaí por um mês antes de revelar os documentos sobre a espionagem, onde teve acesso a milhares de arquivos confidenciais da agência. De acordo com pessoas ligadas ao governo norte-americano que estudam os danos causados pelos vazamentos, as avaliações do caso andam lentamente, já que o ex-agente conseguiu esconder seu rastro eletrônico de como conseguiu invadir registros e documentos da NSA.

As fontes afirmam que os investigadores sabem quais arquivos Edward Snowden acessou, mas não têm ideia de quantos desses dados foram baixados e copiados. Os únicos que teriam visto tais documentos secretos foram os interlocutores de Snowden, como o jornalista e ex-funcionário do The Guardian, Gleen Greenwald, a cineasta Laura Poitras e um repórter não identificado de um jornal britânico.

Após descobrir que Snowden teve ajuda de empregados da própria NSA, o Comitê de Inteligência do Senado dos EUA aprovou uma lei destinada ao aumento de proteção de dados sigilosos do governo. Uma das cláusulas diz que serão investidos cerca de US$ 100 milhões para ajudar na criação de novos sistemas de segurança, que irão detectar e monitorar qualquer tentativa de acesso ou download sem autorização de arquivos sigilosos.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.