Caso PRISM: Dilma expressa repúdio ao episódio envolvendo o avião de Evo Morales

Por Redação | 03 de Julho de 2013 às 19h53

Após o incidente com o presidente da Bolívia na última terça-feira (02), a presidente Dilma Rousseff se pronunciou para expressar sua indignação e repúdio ao ato hostil de países europeus contra Evo Morales.

O avião que transportava o chefe de Estado teve que seguir uma rota alternativa depois de deixar Moscou, na Rússia, já que Portugal e França impediram o sobrevoo de seus espaços aéreos devido a rumores que afirmavam que Edward Snowden, responsável pelo vazamento de documentos sobre o programa de espionagem dos Estados Unidos PRISM, estaria a bordo.

De acordo com a nota oficial do governo brasileiro, a presidente do Brasil alega que o constrangimento ao presidente Morales atinge toda a América Latina, compromete o diálogo entre os dois continentes e possíveis negociações entre eles.

"O noticiado pretexto dessa atitude inaceitável – a suposta presença de Edward Snowden no avião do Presidente –, além de fantasiosa, é grave desrespeito ao Direito e às práticas internacionais e às normas civilizadas de convivência entre as nações. Acarretou, o que é mais grave, risco de vida para o dirigente boliviano e seus colaboradores", diz a nota presidencial.

Dilma Rousseff ressalta ainda sua surpresa com a postura adotada por alguns países europeus que, inclusive, denunciavam a espionagem de seus funcionários por parte dos Estados Unidos. Ela também questionou as ameaças direcionadas ao governo norte-americano que diziam "que essas ações comprometiam um futuro acordo comercial entre este país e a União Europeia".

Saiba mais: Avião de Evo Morales é impedido de voar devido a possível presença de Snowden

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.