Brasil e Reino Unido enfrentam impasse após detenção de brasileiro em aeroporto

Por Redação | 19 de Agosto de 2013 às 18h43

Na tarde dessa segunda-feira (19), o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Antonio Patriota, conversou por telefone com seu homólogo britânico, William Hague, a respeito da detenção de David Miranda no aeroporto de Londres.

O brasileiro é companheiro do jornalista do diário inglês The Guardian, Glenn Greenwald, que divulgou informações sobre o esquema de espionagem do governo norte-americano. Apesar de ter considerado a detenção de David injustificável, Patriota disse que após a conversa dessa tarde, os representantes dos dois países permanecerão em contato na busca de uma solução para o impasse envolvendo o assunto, conforme informações da Agência Brasil.

"Esta continua sendo uma questão operacional da Scotland Yard (Polícia Metropolitana de Londres)", alegou o ministro britânico por meio de nota oficial. "O Reino Unido e o Brasil têm uma forte relação bilateral. Nós trabalhamos em estreita parceria em diversas áreas, incluindo comércio e investimento, educação e energia. Continuamos a discutir uma vasta gama de questões de importância mútua para a política externa e para a agenda de segurança internacional", diz o embaixador britânico, Alex Ellis, no comunicado.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

A detenção e o interrogatório do brasileiro no aeroporto de Londres só foi possível graças a legislação britânica de combate ao terrorismo. Porém, até o momento nenhuma justifica plausível para encaixar David no perfil de possível terrorista foi oferecida pelas autoridades britânicas.

De acordo com o próprio The Guardian, cerca de em 97% dos casos baseados no mesmo código as entrevistas com os suspeitos duraram menos de uma hora, enquanto o brasileiro precisou ficar retido por nove horas, o prazo máximo para liberação de um detido sob suspeita de terrorismo.

"Continuamos a assistir alguns desmandos e desvios nessa questão do combate ao terrorismo. Reconhecemos que é um combate legítimo, que precisa ser articulado de forma a impedir que vidas inocentes sucumbam a atos de violência gratuita, mas também precisa se inspirar nos ideais de multilateralismo, direito internacional e racionalidade", acrescentou Patriota.

Saiba mais: Parceiro do jornalista que revelou espionagem dos EUA fica detido em Londres

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.