Telescópio Webb vai procurar sinais de vida em luas geladas de Saturno e Júpiter

Por Redação | 11 de Setembro de 2017 às 18h11

O telescópio espacial James Webb, que será lançado em 2018, será lançado com o objetivo de investigar dois potenciais candidatos a ter vida extraterrestre no Sistema Solar: as luas geladas Enceladus, de Saturno, e Europa, de Júpiter. Essa é a previsão da Nasa. 

A expectativa é que as duas luas tenham oceanos subterrâneos de água líquida sob camadas exteriores grossas de gelo. Ambas também já mostraram evidências de enormes plumas de líquido que emergem através de rachaduras no gelo da superfície. Na avaliação dos cientistas, essas plumas podem ser causadas por gêiseres subterrâneos, capazes de fornecer uma fonte de calor e nutrientes para formas de vida.

Apelidado de Webb, o telescópio vai capturar luz infravermelha, usada para identificar objetos que geram calor, mas que não são suficientemente quentes para irradiar luz — incluindo humanos, razão pela qual muitos sistemas de visão noturna utilizam luz infravermelha. Os pesquisadores esperam que o Webb possa ajudar a identificar regiões nas superfícies dessas luas onde a atividade geológica, como a erupção de plumas, está ocorrendo.

As plumas de Enceladus foram estudadas em detalhes pela sonda Cassini, em Saturno. A nave espacial descobriu centenas de plumas e até voou através de algumas delas e identificou sua composição. Já as plumas da Europa foram vistas pelo telescópio Hubble, e os pesquisadores sabem muito menos sobre elas na comparação com Enceladus.

Ilustração mostra como seriam as plumas da lua Europa

Em procura de respostas

O Webb vai tentar responder questões como: as plumas são feitas de água gelada? Há vapor de água quente sendo liberado? Qual é a temperatura das regiões ativas e da água emitida? As medições vão permitir que os cientistas estudem essas respostas com rigor e precisão sem precedentes.

A Enceladus vai aparecer cerca de 10 vezes menor do que a Europa, o que pode impedir a captura de imagens de alta resolução da superfície da lua. No entanto, a Webb ainda terá condições de analisar a composição molecular das plumas do satélite.

As observações do Webb ajudarão a abrir caminho para a missão orbital Europa Clipper, orçada em US$ 2 bilhões. Programada para ser lançada em 2020, a Europa Clipper vai procurar sinais de vida na lua gelada de Júpiter. 

Fonte: Space

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.