OneWeb lança 6 satélites para criar frota capaz de oferecer banda larga global

Por Patrícia Gnipper | 27 de Fevereiro de 2019 às 20h30

Nesta quarta-feira (27), o projeto OneWeb lançou, a partir de um foguete russo Soyuz, os primeiros seis satélites que criarão uma frota para fornecer internet banda larga a usuários de todo o mundo, com o objetivo de que seu sinal cubra totalmente a superfície da Terra.

Segundo Greg Wyler, presidente executivo da OneWeb, a empresa pretende lançar à órbita quase 2 mil satélites, mas afirma que 600 deles serão suficientes nesta primeira fase de projeto. Entre os investidores da empreitada, estão nomes de peso como Virgin Group, SoftBank, Airbus, Qualcomm e Coca-Cola. A OneWeb tem contratos assinados com a Roscosmos e a Arianespace para 21 lançamentos comerciais de 672 satélites usando os foguetes Soyuz, com quase US$ 1 bilhão envolvidos.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

O projeto da internet global da OneWeb vem sendo desenvolvido há cinco anos. Atualmente, os satélites de internet que usamos estão situados sobre o equador, a pouco mais de 45 mil quilômetros de altitude — distância um tanto quanto longa que torna a transmissão e a conectividade mais lentas. Contudo, a partir de um ponto a 1.207 km de altura, os satélites da OneWeb orbitarão de um pólo a outro em uma "dança" sincronizada acima da Terra, então, teoricamente, pelo menos um satélite estará acima de você quando você precisar se conectar, com o conjunto, então, fornecendo uma cobertura ampla e veloz a todo o planeta. Os terminais transmitirão sinais Wi-Fi, LTE e 3G.

Adrian Steckel, CEO da One Web, disse ao The Verge que o projeto também prevê a cobertura de internet para escolas e governos em locais que estão mais isolados, em áreas remotas, onde a fibra é muito cara ou simplesmente não é algo viável.

E se essa ideia lhe parece familiar, é porque a SpaceX também vem trabalhando em um projeto do tipo chamado Starlink, cujo objetivo é lançar 12 mil satélites no total com a mesma finalidade da OneWeb. Em fevereiro do ano passado, a empresa de Elon Musk lançou os dois primeiros satélites em caráter de testes, e a empresa também estaria levantando US$ 500 milhões para viabilizar a ideia.

Após esse lançamento de hoje da OneWeb, a empresa pretende enviar os satélites restantes em lotes de 36 unidades usando os foguetes Soyuz operados pela Arianespace, com um total de 21 lançamentos para que a primeira "constelação" de satélites seja completada.

A iniciativa é importante para garantir uma internet realmente global, chegando a todas as pessoas do mundo. Contudo, especialistas estão preocupados com a quantidade colossal de novos satélites na órbita da Terra. No momento, há cerca de 1.800 satélites operacionais, além de uma enorme quantidade de lixo espacial (contendo satélites que já não funcionam mais). Então, esses novos empreendimentos podem quadruplicar, rapidamente, esse número, aumentando significativamente o risco de espaçonaves se chocarem contra satélites em órbita. Cada um desses satélites de internet têm uma vida útil de cerca de cinco anos, e, para a NASA, é preciso que essas empresas garantam a "limpeza" da órbita, retirando os equipamentos de lá assim que completarem suas missões.

E a OneWeb não está alheia a esse problema futuro, com planos de reduzir a altitude dos satélites após os cinco anos de vida útil, aproximando-os da Terra para que, aos poucos, eles sejam atraídos pela gravidade do planeta e, então, sejam queimados em sua reentrada na atmosfera, sem risco de choques contra o solo. A rival SpaceX segue a mesma linha de pensamento, declarando no final do ano passado que os satélites do projeto Starlink seriam mesmo mais seguros em uma órbita mais baixa.

Fonte: The Verge, CNBC

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.