NASA cria habitat que simula condições espaciais para estudar microrganismos

Por Redação | 11 de Julho de 2017 às 16h51

Para estudar como os fungos nativos da Terra se comportam no espaço, bem como o quão prejudiciais eles podem ser para humanos em outros ambientes fora do nosso planeta, a NASA está recriando uma moradia espacial para descobrir exatamente como nós, humanos, que carregamos conosco os mais diversos microrganismos, seríamos impactados por esses seres depois de um período vivendo no espaço.

E parte desse estudo envolve medir como alguns tipos de fungos mudam conforme humanos vivem em um habitat inflável que simula essas condições. Por enquanto, viveram ali apenas quatro pessoas, mas já ficou claro que somente o fato de humanos estarem ali já mudou os tipos de espécies de microrganismos que se instalaram por lá. Com base nesse estudo, a agência espacial dos Estados Unidos pretende descobrir o que acontecerá quando astronautas começarem a habitar outros planetas.

A estação espacial inflável usada para o estudo da NASA (Reprodução: Divulgação)

Os quatro astronautas instalados no ambiente que simula condições espaciais viveram em um habitat de 12 por 10 e 2,5 metros que contém cozinha, laboratório, banheiro e quarto. A missão durou 30 dias, período em que foram coletadas amostras de fungos em todos os ambientes, e em momentos separados da missão. Entre os resultados, as amostras apresentaram nuances com relação à quantidade de fungos (que foram reduzidas ao fim da missão), mas outros tipos se proliferaram, especialmente os dos gêneros Epiccocum, Alternaria, Pleosporales, Davidiella e Cryptococcus.

Com o estudo, os cientistas entenderão melhor essas mudanças no ambiente microbiano que simula condições espaciais, para garantir que esses locais sejam seguros para o sistema imunológico dos astronautas nas missões reais que estão por vir, como o projeto de se criar uma colônia em Marte.

Fonte: CNet

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.