Destaques da NASA: fotos astronômicas da semana (27/02 a 05/03/2021)

Por Daniele Cavalcante | 06 de Março de 2021 às 11h00
Alyn Wallace/M. Petrasko/M. Evenden/U. Mishra/Giuseppe Vella
Tudo sobre

NASA

Saiba tudo sobre NASA

Ver mais

Marte é o grande assunto do momento, não apenas por causa da Mars 2020, que pousou o rover Perseverance na superfície do Planeta Vermelho, mas também devido às demais missões acontecendo por lá. Uma delas é a chinesa Tianwen-1, que publicou suas primeiras imagens em alta definição mostrando as diferentes formações geológicas marcianas.

Pois bem, a NASA segue compartilhando algumas imagens de Marte, e mostrou como a sonda Mars Reconnaissance Orbiter revelou o local de pouso do Perseverance, bem como onde foram parar o paraquedas e os escudos de proteção, que evitou que a nave se transformasse em uma bola de fogo ao atravessar a atmosfera marciana.

Além de Marte, temos nessa semana uma belíssima nebulosa, a Pelicano. Também há muito de paisagens terrestres relacionadas com os astros do céu, como uma fotografia do céu noturno onde Marte está bem visível. A aurora boreal também está por aqui, dessa vez em um formato acidental que faz com que as luzes esverdeadas pareçam interagir com uma árvore. E há muitas outras imagens fascinantes, confira!

Sábado (27/02) — Sonda encontra rover 

(Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech/MSSS)

Esta imagem foi capturada pela sonda Mars Reconnaissance Orbiter, da NASA, que observa o Planeta Vermelho do alto. Ela flagrou o local de pouso do Perseverance e encontrou não só o rover, como também localizou o módulo de pouso, os paraquedas e os escudos térmicos. Cada quadrado amarelo corresponde a aproximadamente 200 metros, de acordo com a agência espacial estadunidense.

O Percy, apelido do Perseverance para os íntimos, está localizado no centro do padrão desenhado na superfície pelos foguetes, que durante o pouso foram acionados para diminuir a velocidade da descida. Após a manobra, o estágio de descida voou para cair bem longe do rover, mantendo assim o equipamento científico livre de qualquer tipo de acidente.

Domingo (28/02) — Árvore sustenta aurora

(Imagem: Reprodução/Alyn Wallace)

Às vezes é difícil fazer qualquer comentário sobre uma imagem que, por si, dispensa palavras. Esta foto foi fruto do mero "acaso", pois a câmera estava a postos, pronta para fotografar a aurora boreal, quando o fotógrafo conseguiu um ângulo que faz a árvore parecer estar sustentando as luzes esverdeadas. De acordo com a NASA, Alyn Wallace estava tão perplexo com a visão da aurora que ele se esqueceu momentaneamente de tirar fotos. Quando viu através deste ângulo, parecia no lugar das folhas, a árvore tinha os feixes verdes.

Auroras estão entre os fenômenos naturais mais exuberantes de nosso planeta. São causadas pelas explosões solares, que despejam elétrons de alta energia em direção ao nosso planeta que, por sua vez, tem uma atmosfera e um campo magnético capaz nos proteger. Essa interação de partículas ocorre a cerca de 150 km de altitude e cria as luzes magníficas no céu.

Segunda-feira (01/03) — Nebulosa do Pelicano

(Imagem: Reprodução/M. Petrasko/M. Evenden/U. Mishra)

A nebulosa do Pelicano, conhecida também como IC 5070, é uma mistura ativa de formação de estrelas e nuvens de gás em evolução, de modo bastante incomum. A imagem acima foi processada para revelar duas cores principais, vermelho e azul. O vermelho representa o hidrogênio interestelar, que existe em quantidades enormes nessa região. A luz ultravioleta emitida por estrelas jovens está lentamente transformando o gás frio da nebulosa em gás quente. O vermelho brilhante no centro da imagem é o limite entre os dois.

Esse limite é conhecido como frente de ionização. Filamentos densos e intrincados de gás frio existem por ali, e a atividade nesse lugar enorme pode mudar completamente o formato dessa nebulosa. Em apenas alguns milhões de anos, o equilíbrio e a localização das estrelas e do gás deixarão tudo bem diferente, por isso os astrônomos estudam essa nebulosa com particular interesse. A Pelicano mede cerca de 30 anos-luz e fica a cerca de 1.800 anos-luz de distância, em direção à constelação de Cygnus.

Terça-feira (02/03) — Mini helicóptero em Marte 

(Imagem: Reprodução/NASAJPL-Caltech/Mars 2020)

O Percy não está em marte sozinho. Junto dele, ou melhor, na "barriga" dele, está o Ingenuity, apelidado carinhosamente de Ginny. Trata-se de um helicóptero projetado para descobrir se é possível voar em outro planeta. Com tamanho de uma torradeira e quatro perninhas longas, Ginny é o primeiro objeto voador a ser enviado a outro mundo. Não há instrumentos científicos nesse "brinquedinho", pois seu propósito é unicamente demonstrar as possibilidades de voo em uma atmosfera alienígena.

Provavelmente, a NASA colocará ele em ação a partir de abril. A imagem acima é uma ilustração artística bem realista de como veríamos a dupla robótica no Planeta Vermelho, caso estivéssemos também por lá. O desenho mostra um detalhe importante: os rotores do Ginny, que darão ao helicóptero a sustentação necessária para voar na fina atmosfera marciana, está nas pontas das "perninhas". Boa sorte para o pequeno Ginny em sua grande missão!

Quarta-feira (03/03) — Vulcão contra as estrelas

(Imagem: Reprodução/Giuseppe Vella)

O Etna, um dos vulcões mais ativos do mundo, localizado na Itália, entrou em erupção no início deste ano. Na verdade, foram duas erupções, sendo a primeira delas no dia 16 de fevereiro e a segunda no dia 18. As fontes de lava chegaram a atingir aproximadamente 700 metros de altura e os fluxos decreram por cerca de 4 quilômetros. Em seus momentos mais ferozes, o Etna produz fontes de lava com mais de um quilômetro de altura. Além disso, ele também é um dos maiores vulcões da Terra, com mais de 50 km em sua base e quase 3 km de altura.

Na imagem, que retrata a erupção de fevereiro, uma coluna de lava sobe contra o céu estrelado. Algumas trilhas luminosas, provavelmente de satélites, aparecem aqui e ali, enquanto as estrelas permanecem soberanas na noite terrestre. Apesar da calmaria no céu, a erupção vulcânica foi tão violenta que os aeroportos próximos tiveram que ser fechados para evitar que aviões voassem pela nuvem, o que prejudicaria a visibilidade.

Quinta-feira (04/03) — Marte no céu noturno

(Imagem: Reprodução/Petr Horalek/Institute of Physics in Opava)

Já vimos muitas imagens de Marte, tiradas pelos rovers como o Perseverance, e por sondas como a Mars Reconnaissance Orbiter. Mas você consegue distinguir Marte no céu noturno? O Planeta Vermelho costuma ser visível a olho nu e, uma vez que você o encontra, fica mais fácil identificar o brilho avermelhado do nosso planeta vizinho.

Esta imagem, entretanto, mostra muito mais do que nossos olhos podem enxergar, graças a uma longa exposição com equipamento adequado. Além de Marte, ali está a constelação de Touro, próximo às Sete Irmãs, também conhecidas como Plêiades. Aliás, esta é a conjunção mais próxima de Marte com as Plêiades, que ocorreu no dia 3 de março. Abaixo do centro, Marte é ponto amarelado brilhante, pertinho do aglomerado de estrelas azuis. Aqui, o Planeta Vermelho está muito mais brilhante do que vemos no céu por causa da exposição prolongada da câmera.

Mais ao lado, competindo com Marte em cor e brilho, está Aldebaran, a estrela alfa de Touro. Também aparece na imagem o aglomerado de estrelas Hyades, nebulosas escuras ao longo da borda da nuvem molecular de Perseus, e o brilho avermelhado da Nebulosa da Califórnia, no canto superior direito.

Sexta-feira (05/03) — Céu e Terra em 360°

(Imagem: Reprodução/Robert Barsa)

Este é um mosaico em 360 graus do nosso planeta Terra. Ou melhor, do nosso céu noturno, fotografado em algumas exposições e montado digitalmente. Nesse cenário, o deserto chileno de Atacama se parece com um pequeno planeta vagando no espaço. No horizonte do deserto, é possível identificar grandes telescópios, que tornaram o Atacama famoso entre os astrônomos. Ao redor, está a Via Láctea, formando um arco acima do horizonte por quase 180 graus ao redor do pequeno planeta.

Enquanto Orion está acima do planetinha, as galáxias Pequena e Grande Nuvens de Magalhães estão no lado direito. Marte, o novo lar do Perseverance, também está em destaque — é a luz alaranjada no canto inferior esquerdo.

Fonte: APOD

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.