Coleção do astronauta Neil Armstrong será colocada a leilão neste ano

Por Wagner Wakka | 20 de Julho de 2018 às 20h40
Nasa

Exatamente no dia em que se comemoram 49 anos de quando o homem pisou pela primeira vez a Lua, é anunciado que a coleção pessoal de Neil Armstrong, primeiro astronauta a tocar solo lunar, está à venda. Ele morreu em Ohio no ano de 2012 e seus pertences estão sendo calculados e catalogados para entrarem em leilão no início de novembro, se estendendo até maio do ano que vem.

O astronauta guardou muitas coisas desta que é considerada a maior viagem do ser humano, com objetos dos mais variados tipos. Entre eles estão artefatos do pouso na Lua, lembranças que incluem a asa e a hélice de uma réplica do avião dos Irmãos Wright, que Armstrong levou consigo até o satélite natural da Terra. Eles são considerados pelos norte-americanos como os inventores do avião, muito embora haja uma outra vertente que nomeia Santos Dumont como criador do veículo.

A coleção também engloba bandeiras dos Estados Unidos, uma das Nações Unidas, outras bandeiras e algumas medalhas que ele também teria levado na viagem. Há uma medalha que ele ganhou pelos serviços prestados na missão Apollo, somente possível de serem recebidas por astronautas da NASA. O conjunto também têm várias medalhas de ouro recebidas por Armstrong após sua volta para a Terra.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Quem está colocando todos os ítens à venda é Mark Armstrong, filho do astronauta. Ao APNews, ele informa que o pai não lhe tinha falado o que gostaria que fosse feito com os ítens. Contudo, a família acredita que este é um conjunto muito valioso da história, sendo que eles não saberiam como conservar os objetos.

Assim, a ideia é fornecer a coleção para alguém que tenha capacidade de restaurar os objetos sem que eles percam sua essência. “Nós percebemos que o número de pessoas que poderiam nos ajudar a identificar e nos dar contexto histórico sobre isso estava diminuindo, e que o problema de entender este contexto só ficaria pior com o tempo”, explica o filho.

Os filhos encontraram uma auditoria e uma empresa de autenticação de itens para garantir que tudo possa ser devidamente leiloado; por isso, a expectativa é de que os objetos fiquem disponíveis para compra somente em novembro. Segundo eles, os itens serão leiloados tanto in loco quanto pela internet ou telefone.

Fonte: APNews

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.