Calypso pode ser a próxima missão da NASA a estudar Vênus usando um balão

Por Danielle Cassita | 21 de Setembro de 2020 às 13h00
ISAS/JAXA/Akatsuki/Meli thev
Tudo sobre

NASA

Saiba tudo sobre NASA

Ver mais

Entre os planetas rochosos do Sistema Solar, Vênus é, sem dúvidas, um dos mais desafiadores. Com temperaturas superficiais que ultrapassam os 400 °C e pressões atmosféricas literalmente esmagadoras, nem mesmo os landers mais rígidos conseguem sobreviver muito tempo por lá. Entretanto, uma proposta de missão chamada Calypso Venus Scout poderia investigar o planeta mesmo assim, por meio de uma sonda sustentada por um balão.

O artigo que descreve a missão foi publicado em formato pré-print no site arXiv — ou seja, ainda não foi revisado e avaliado por pares. Assim, a missão ainda não está nos planos da NASA, e o autor propõe uma década para seu desenvolvimento. A ideia é que a Calypso fique a uma altitude de 32 quilômetros, onde as nuvens ficam mais dispersas e, assim, seria possível descer uma sonda para poder estudar e medir o solo com maior precisão. Nesta altura, as temperaturas ficam pouco acima de 120 °C — bem mais amenas do que as temperaturas da superfície do planeta, que são de 467 °C, em média.

Representação conceitual da missão Calypso (Imagem: Reprodução/Sam Zaref/arXiv)

Então, depois da chegada da Calypso à órbita do "planeta infernal", um balão seria lançado na atmosfera bem no topo dessa camada de nuvens. O balão ficaria a uma altitude de 50 km e se manteria estável por lá. Devido à altura, não seria necessário utilizar nenhuma tecnologia complexa ou inovadora, e a sonda poderia ser alimentada por painéis de energia solar. Um módulo seria descido do balão até o solo, sustentado por uma corda de até 30 km de comprimento.

Depois, o módulo atravessaria as nuvens e tiraria algumas fotos do solo, de modo que a superfície do planeta seria estudada conforme o balão fosse empurrado pelos ventos. À medida que temperaturas da superfície ficam quentes demais, o módulo seria recolhido para transmitir os dados para a Terra, enquanto se resfria para mais uma rodada de estudos. Este processo seria gradual, e a sonda iria escanear, de pouco a pouco, a superfície de Vênus em comprimentos de onda visível e infravermelhos. Assim, a Calypso poderia estudar grandes áreas do nosso planeta vizinho.

Já se passaram quase 40 anos desde a realização da última missão do programa Venera, desenvolvido pela União Soviética para estudar Vênus, e, mesmo assim, ainda não temos a tecnologia necessária para estudar este planeta como já vem sendo feito em Marte, de modo que a Calypso poderia ser uma possibilidade poderosa para sabermos mais sobre nosso vizinho.

Entender Vênus é importante para aprendermos sobre o que pode esperar a Terra, já que o planeta já foi bastante semelhante ao nosso, com oceanos líquidos e atmosfera agradável. Entretanto, estas condições foram perdidas devido a um efeito estufa extremo.

Fonte: Space.com

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.