Tecnologia do FBI promete reconhecer bandidos por suas tatuagens

Por Redação | 02.06.2016 às 21:40

De acordo com informações divulgadas pela Electronic Frontier Foundation (EFF) nesta quinta-feira (2), o FBI está desenvolvendo tecnologias para o reconhecimento de tatuagens, tornando possíveis fugas de infratores ainda mais difíceis. O método consiste em um algoritmo capaz de identificar potenciais significados das tattoos, além de reconhecer elementos que estejam ligados à cultura do investigado. A ideia é que o sistema identifique inclinações religiosas, políticas, pessoais e sociais, o que significa que a plataforma não servirá como um simples banco de dados.

Dessa forma, mesmo as tatuagens compartilhadas por milhares de pessoas poderão ser distinguidas a partir de uma série de especificações que a tecnologia será capaz de capturar. Sobre o assunto, a "tecnologia de reconhecimento de tatuagem" pode ser compreendida como tendo o objetivo de encontrar possíveis relações entre pessoas que têm tatuagens semelhantes, sendo capaz de determinar “filiação a gangues, sub-culturas, crenças religiosas ou ritualistas ou ideologias políticas”.

Apesar de aparentemente ser útil, os cientistas que estão desenvolvendo o software devem se deparar com algumas questões éticas, claro, já que grupos religiosos estão entre os estudados, e para isso tatuagens com símbolos da cruz, ou até mesmo de Jesus Cristo estão sendo investigadas. O período de testes analisou 15.000 imagens de tatuagens de detentos, e a próxima fase do projeto tem previsão para trabalhar em cima de 100 mil fotografias.

A grande diferença entre o algoritmo para identificação de pessoas e os livros da tatuagem utilizados para a aplicação da lei é que o algoritmo poderá ser usado para associar automaticamente criminosos com uma tatuagem específica ou padrões de tattoos, independentemente do contexto. O problema é que corre-se o risco de que a ferramenta não seja 100% precisa, podendo conectar pessoas incorretamente com base na arte do corpo, o que pode acabar gerando consequências desastrosas.

Vale pensar duas vezes antes de escolher o próximo desenho, concorda?

Fonte: SlashGear