Sinal de estrela a 95 anos-luz pode revelar a existência de vida extraterrestre

Por Redação | 30 de Agosto de 2016 às 09h44

Não acreditar na existência de inteligências alienígenas é ir contra as probabilidade, mas, ao mesmo tempo, ainda não tivemos nenhum tipo de contato que comprove “por a + b” que extraterrestres existem de fato. Contudo, cientistas que trabalham no projeto SETI (Search for Extraterrestrial Intelligence) analisando sinais de rádio de baixa frequência provenientes do espaço podem ter encontrado um forte indício da existência de uma civilização tecnologicamente avançada fora da Terra.

O sinal, na verdade, foi detectado em maio de 2015 na Rússia, e sua origem também poderia ser explicada por interferências ou fenômenos naturais. “Ninguém está afirmando que isso é trabalho de uma civilização extraterrestre, mas sem dúvida vale a pena fazer um estudo mais aprofundado”, disse Paul Gilster, do Centauri Dreams - site que analisa pesquisas científicas sobre a exploração do espaço.

O radiotelescópio russo RATAN-600 (Reprodução: Divulgação)

Gilster decidiu revelar a descoberta depois de assistir a uma apresentação do astrônomo italiano Claudio Maccone sobre o assunto, que sugeriu que seria interessante monitorar esse alvo permanentemente a fim de aprofundar as análises. O sinal detectado em 15 de maio de 2015 pelo radiotelescópio russo RATAN-600 vem de uma estrela similar ao Sol chamada HD 164595, que faz parte da constelação de Hércules e está localizada a cerca de 95 anos-luz da Terra. Sabe-se que existe ao menos um planeta possivelmente rochoso orbitando essa estrela.

Apesar de a equipe de astrônomos da Academia de Ciências da Rússia, que detectou o sinal pela primeira vez, acreditar que ainda seja muito cedo para determinar a natureza e a origem desse sinal misterioso, pesquisadores acreditam que ele seja suficiente “para solicitar que seja objeto de uma observação permanente”. E eles conseguiram alguma atenção: a descoberta será objeto de debate no 67º Congresso Internacional de Astronáutica, programado para acontecer no México no dia 27 de setembro.

A constelação de Hércules, onde está localizada a estrela HD 164595 (Reprodução: Divulgação)

O que esses pesquisadores acreditam é o seguinte: se o sinal provém de uma antena isotrópica, que irradia em todas as direções, ele seria então proveniente de uma potência possível somente para uma civilização muito mais avançada do que a nossa - chamada de Civilização do Tipo II na Escala de Kardashev. Essa escala mede o grau de desenvolvimento tecnológico de uma civilização. Mas se esse sinal vem de uma banda de emissões orientada em direção ao Sistema Solar, pode ser que seja uma civilização do Tipo I, indicando um ser cuja evolução é equivalente a do ser humano.

De acordo com Nick Suntzeff, astrônomo da Universidade do Texas, o sinal de 11 gigahertz descoberto está dentro das frequências de rádio usada por militares aqui na Terra. Para ele, “não está fora de questão que se trate de algum tipo de comunicação feito entre estações no solo e satélites”.

Fontes: Centauri Dreams, ARSTechnica

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.