Scanner criado pela Disney identifica gadgets por meio de ondas eletromagnéticas

Por Redação | 08.05.2016 às 18:45

Imagine que você está numa sala onde há vários dispositivos eletrônicos idênticos. Se forem todos eles tablets ou notebooks, da mesma marca e modelo, você seria capaz de dizer qual deles é o seu — ou diferenciá-los, ao menos — sem a ajuda de algum tipo de marcador ou indicador visual? Pois bem, um scanner eletromagnético criado recentemente pela Disney consegue fazer isso, e o mais incrível é que ele custa apenas US$ 10 para ser fabricado.

Disney Research

A divisão possui laboratórios de desenvolvimento espalhados por todo mundo e geralmente é responsável pelas inovações que vemos nos filmes do estúdio (Imagem/Reprod.: Disney Research)

Alguns engenheiros da divisão de pesquisas da Disney tiveram a peculiar ideia de identificar aparelhos visualmente idênticos por meio de seus campos eletromagnéticos. É possível que você não saiba disso, mas mesmo dispositivos com os componentes inteiramente iguais conseguem emitir ondas de forma única, como uma impressão digital eletrônica.

Em testes realizados pela empresa, o scanner criado conseguiu diferenciar até 30 dispositivos numa sala com 40 deles. Segundo os pesquisadores, o identificador eletromagnético conseguiu sucesso em uma média de 90% de todos os testes, exceto pelos feitos com iPhones e outros smartphones, eles acreditam que as outras ondas emitidas por esse tipo de gadget acabam interferindo na hora de diferenciar os campos gerados por cada um, resultando assim em diferentes análises por parte do scanner. É como se ele não conseguisse captar muito bem o que torna diferente a onda de um determinado smartphone quando comparada a onda de um modelo similar.

A Disney diz que deve continuar o desenvolvimento do scanner e que pretende utilizá-lo em ambientes industriais, para a localização e rastreamento de componentes ou dispositivos eletrônicos. Os responsáveis pelo invento também afirmam que essa tecnologia é mais barata que as tags RFID, ou tags de identificação por radiofrequência, e que com algum pouco de otimismo e melhoria na precisão do identificador será possível até mesmo realizar o rastreio a distância de dispositivos que estiverem em funcionamento.

Via: Ubergizmo