Sangue de pessoas mais novas pode ser a chave contra o envelhecimento

Por Redação | 18 de Agosto de 2016 às 07h38

Seja na realidade ou na ficção, a ideia de driblar ou atrasar a morte sempre esteve presente na humanidade. Para algumas pessoas, injetar sangue de pessoas mais novas é uma tentativa válida de buscar a "imortalidade". O processo é chamado de parabiose e é apoiado por muitas pessoas, incluindo famosos como o bilionário Peter Thiel, que subsidia startups da área. Apesar de testes em ratos terem apresentado bons resultados, não há nenhuma evidência de benefícios em seres humanos.

A "Fonte da Juventude" biológica começou a ser pesquisada em 1860 com experimentos dignos de histórias de terror e bastante cruéis com ratos: os animais eram costurados entre si de modo que seus sistemas circulatórios se interligassem.

As pesquisas seguiram ao longo das décadas, passando a transfusões entre ratos mais novos e velhos. Mais recentemente, resultados positivos começaram a ser identificados, como o retardamento do envelhecimento, melhora nos batimentos cardíacos, melhor desempenho de aprendizado e memória e músculos rejuvenescidos.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

No entanto, não há nenhuma evidência concreta de benefícios do processo em seres humanos. Na Califórnia, EUA, empresas não só querem aprofundar as pesquisas em humanos como anunciam publicamente que precisam de participantes acima dos 35 anos para receber transfusões de sangue de pessoas de menos de 25.

A participação, no entanto, não é gratuita. Por exemplo, a empresa Ambrosia - em alusão ao néctar dos deuses - cobra US$ 8.000 dos interessados -, e os pesquisadores analisam o organismo dessas pessoas por dois anos em busca de resultados relacionados ao envelhecimento.

Se comprovada eficiente, a parabiose vai atrair bastante atenção, porém, praticar a "terapia" vai exigir uma demanda de sangue jovem muito grande e não se vê sangue como produto comercializado por aí. A moralidade do processo também passará a ser discutida, visto que o sangue de jovens passará a ser algo valioso. Seria esta uma nova versão de vampirismo?

Fonte Business Insider

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.