Robôs já fazem serviço de quarto em alguns hotéis nos Estados Unidos

Por Redação | 16.02.2016 às 17:33
photo_camera Divulgação/Savokie

A Savokie é uma startup da cidade de Santa Clara, Califórnia, nos Estados Unidos, responsável pela concepção e desenvolvimento do Relay, um pequeno robô autônomo que “trabalha” como carregador em alguns hotéis pelo país. Atualmente, a máquina inteligente atua em 12 estabelecimentos, mas a ideia da companhia é expandir o negócio para todo o país norte-americano.

Cada Relay pesa cerca de 45 quilos e mede 90 centímetros de altura. Atualmente, os robôs atuam na entrega de itens básicos nos quartos dos hóspedes, como toalhas e pastas de dente. Apesar de “autônomas”, as máquinas precisam ter suas tarefas delegadas pelos funcionários do hotel. Alguém precisa digitar na tela sensível ao toque embutida no robô o número do quarto, então a criatura faz o restante do trabalho sozinha, encaminhando-se ao elevador e, depois, até a porta indicada pelo ser humano.

Eles utilizam sinais de internet WiFi e câmeras 3D para identificar sua localização e se movimentarem pelos corredores. Os Relay lembram um cesto de lixo, pois não têm braços e também não se comunicam por sinais sonoros — qualquer informação que tenha que ser passada ao hóspede é feita por meio de texto exibido em sua tela embutida.

Hotéis cada vez mais tecnológicos

A iniciativa da Savokie vem em um momento no qual os hotéis se tornam cada vez mais high-tech. A rede Hilton, por exemplo, uma das mais famosas do mundo, agora permite que os seus hóspedes utilizem o próprio smartphone para destravar a porta de seu quarto em 112 unidades espalhadas pelo mundo. No Japão, relata o Los Angeles Times, há hotéis ainda mais conectados e tecnológicos. Em um estabelecimento em uma cidade próxima a Nagasaki, os hóspedes são completamente servidos por robôs e a chave para entrar no quarto é o reconhecimento facial.

Contudo, toda essa tecnologia pode não agradar aos clientes mais exigentes. “Com robôs, você não tem serviço personalizado”, comenta o gerente-geral do luxuoso hotel InterContinental Los Angeles Century City, Steve Choe. “Estes são os toques que as pessoas ainda querem”, prossegue. O presidente do California Hotel & Lodging Association, Lynn Mohrfeld, aposta em um apelo mais específico para o uso de robôs no mercado de hospedagem. “Em um hotel quatro estrelas no Vale do Silício, esta seria uma boa novidade”, crava.

Fonte: Los Angeles Times