Projeto de zepelim com turbinas pode ser solução econômica para indústria aérea

Por Redação | 06 de Abril de 2016 às 15h20

Uma mistura um tanto quanto bizarra de zepelim, hovercraft e aeronave convencional pode acabar sendo, pelo menos na visão de um grupo de empreendedores e capitalistas, a solução para muitos dos problemas da indústria aérea. O time de investidores anunciou a colocação de um capital de US$ 480 mil na construção de 12 aeronaves que utilizam turbinas e hélio para voarem por aí.

É uma proposta que vem de encontro à escassez de combustível fóssil e à dificuldade cada vez maior de obtê-lo, além dos altos custos de infraestrutura e manutenção de aeroportos, pistas e hangares. O projeto exclui tudo isso ao criar um modelo capaz de decolar e aterrissar sem a necessidade de asfalto, podem descer até mesmo na água, areia ou gelo.

A aeronave, que será fabricada pela empresa americana Lockheed Martin, seria capaz de transportar até 20 toneladas de carga e 19 passageiros, voando a 110 quilômetros por hora e com uma autonomia de mais de 2,5 mil quilômetros. Tudo isso com emissão de carbono um terço menor que a de um avião convencional e um oitavo inferior à de um helicóptero. A baixa velocidade pode tornar os modelos um substituto também destas aeronaves, principalmente no mercado de turismo.

Aviação híbrida

A iniciativa é liderada pelo presidente da Virgin, Richard Branson, que não é nenhum novato no mundo dos zepelins. Há 29 anos, por exemplo, ele tentava bater o recorde de voo com um veículo do tipo sobre o oceano, uma experiência frustrada quando sua aeronave caiu sobre a Irlanda. Seu hobby, entretanto, acabou virando uma ideia de negócio a medida em que a aviação comercial e de carga se tornou mais popular e seus custos maiores.

Ainda não existe data para o voo inaugural da aeronave, que está em fase de projeto. A Lockheed Martin também está em busca das regulamentações governamentais necessárias para que os testes comecem, mas a ideia é entregar os primeiros modelos em três anos.

Fonte: BBC