Pokémon perdeu relevância com o passar das gerações?

Por Gustavo Rodrigues | 07.07.2016 às 20:05

Pokémon é uma das franquias mais importantes das últimas décadas, principalmente se formos considerar como o universo dos monstrinhos da Nintendo se expandiu por diversas mídias, assim se tornando um grande nome para novos produtos. Entretanto, até que ponto Pikachu e companhia se mantiveram relevantes com o passar dos anos? As gerações mais recentes são tão carismáticas quanto as primeiras?

Dificilmente, alguma geração de Pokémon consegue ser mais marcante do que a primeira. Até hoje a decisão dos iniciais (Bulbasaur, Charmander e Squirtle) é uma das grandes discussões entre os fãs da franquia. Grandes momentos do anime envolvem os 151 pokémon, como a gangue de Squirtles, o temperamento do Charizard de Ash, o adeus da Butterfree, o ginásio de Cinnabar, etc. A segunda geração criou quase a mesma empatia que a antecessora, já que a união entre as duas foi bastante natural, principalmente na animação televisiva. Chikorita, Cyndaquil e Totodile são carismáticos, os tipos noturnos e metálicos eram novidades e alguns pokémon ganharam mais evoluções, sendo Kingdra a última do Horsea, além das versões psíquica e noturna do Eevee, Espeon e Umbreon, respectivamente.

Pokémon First Season

Games

Entretanto, as gerações posteriores não foram tão influentes no ocidente quanto as duas primeiras. Algo que refletiu claramente a cada novo filme que era lançado, mesmo que este não fosse o grande diferencial da franquia. Por exemplo, Pokémon: The First Movie teve bilheteria de US$ 163 milhões mundialmente, quantia superior a soma dos quatro últimos longas lançados.

Ao contrário dos filmes, os games de Pokémon são sucesso absoluto desde os primeiros lançamentos, com poucas falhas. Pokémon Stadium, Snap, Pinball e participações em Super Smash Bros., Trading Card Game e outros nomes se consolidaram no decorrer dos anos. Atualmente, três novos jogos da franquia chamam atenção: o game de luta Pokkén Tournament, os RPGs Sun e Moon, que serão lançados apenas em Novembro, e o aplicativo Pokémon Go.

Mesmo com seu lançamento ainda limitado a poucos países ao redor do globo, Pokémon Go é um dos grandes destaques da semana, levando os fãs mais antigos dos monstrinhos a locais inesperados para capturar Sandshrews, Zubats e muitos outros. O aplicativo é um exemplo claro da nostalgia que ainda existe em quem assistiu às primeiras aventuras de Ash pela Rede Record. Enquanto isso, a versão que mistura Tekken e Pokémon, Pokkén Tournament, tem 1.165 inscritos no maior campeonato de jogos de luta, a Evolution Championship Series, popularmente EVO, que acontece ainda este mês em Las Vegas.

Criatividade x Novas Gerações

Muitos fãs antigos de Pokémon justificam que perderam o interesse pelas novas gerações porque cada vez mais os monstrinhos são esdrúxulos, como se a criatividade tivesse acabado. O argumento é compreensível quando se vê pokémon baseados em candelabro, chaveiro ou lendários que mais se assemelham a digimons ou Transformers, como a forma completa do Zygarde. Entretanto, vale lembrar que a primeira geração também tinha criaturas exóticas, por exemplo, Magnemite, Voltorb, Porygon e Jynx. Em pesquisa recente, os japoneses votaram em quais eram seus pokémon favoritos, fazendo com que Greninja, Arceus, Mew, Pikachu e Sylveon liderassem o ranking, surpreendendo a todos pelo sapo azul no topo.

Estamos empolgados com quase todos os monstrinhos novos dos jogos Sun e Moon. O design deles parece bastante criativo desde os lendários aos iniciais e as características os tornam carismáticos. Vikavolt é um inseto/elétrico com semelhança a uma aeronave, Drampa apresenta a primeira versão de uma criatura que mistura os tipos Dragão e Normal (além de lembrar de Falkor, a criatura gigante do longa História Sem Fim), além dos fofos Cutiefly e Rowlet, a corujinha Planta/Voador que já ganhou o coração dos fãs.

Hoje, Pokémon pode não ser a febre que dominou tudo que podia no final dos anos 90, mas ainda se mantém como uma das franquias mais amadas para quem deu uma chance para o anime ou aos jogos, algo que fica mais evidente em como, depois de 20 anos, Nintendo e Pokémon Company atraem milhares de pessoas para seus novos produtos. Pokémon capturou inúmeros fãs com sua simples mecânica evolutiva a cada geração, o que pode ter criado algum sentimento nostálgico em alguma parte desse texto em vários leitores, assim como houve com o redator desta matéria. Seja você fã de Venusaur, Blastoise ou Charizard, não há duvida de que o lema "Temos que pegar" ainda não foi nocauteado.