Netflix acumula terceiro dia seguido de queda na Bolsa

Por Redação | 24.08.2015 às 12:51

Depois da Apple, é a vez do Netflix também amargar uma vertiginosa queda em seus valores de ações na Bolsa. Em seu terceiro dia seguido de redução, os papéis do serviço de streaming estão apresentando baixa de cerca de 5% em meio a incertezas quanto à situação econômica mundial, motivada principalmente pela contínua retração econômica da China.

Assim como no caso da Maçã, as notícias vêm como uma continuidade das más notícias que já a vinham atingindo há algum tempo. Mais especificamente no caso da Netflix, desde a última quinta (20), quando suas cotas atingiram uma baixa histórica de 7,8%, seguida de outra, no dia seguinte, de 7,6%. No total, trata-se de uma perda de quase 20% no valor da companhia apenas nos três últimos dias de pregão, um fator suficiente para deixar muito investidor arrancando os cabelos.

Arrancar os cabelos, por sinal, parece ser a imagem corrente nas Bolsas de Valores mundiais nesta segunda-fera. A semana já começou com uma venda maciça de ações que levou empresas e pregões de todo mundo a uma queda vertiginosa que, para muita gente, já se aproxima bastante do pânico. A retração econômica chinesa, que parece impossível de ser contida pelo governo, é o principal motivo para isso, afetando diretamente empresas como a Netflix e outras do mundo da tecnologia, que têm o mercado asiático como principais focos para novos negócios.

O serviço de streaming, por exemplo, sofre devido à sua iminente chegada aos países daquele lado do mundo. A empresa vem apostando forte no Japão, por exemplo, onde tem chegada marcada para o próximo dia 2. A situação econômica do território, porém, parece estar esfriando os ânimos desse que é um dos maiores movimentos de expansão da empresa nos anos recentes.

Não ajuda, também, o descrédito dado a empresas de mídia como a Disney e a Time Warner por algumas agências de análise de mercado. Diante dos altos gastos com a produção de novas atrações e a expectativa de que o setor de adaptações também apresente retração, alguns especialistas baixaram as expectativas para tais empresas, o que acabou levando a Netflix também para o buraco.

Até mesmo empresas de petróleo estariam sendo afetadas pelas baixas, que não parecem ter previsão para chegar ao fim. No momento em que essa reportagem é escrita, a Bovespa opera com baixa de 3,6%, enquanto a NASDAQ, onde está a esmagadora maioria das grandes empresas de tecnologia, tem baixa de quase 3%, sendo puxada para baixo principalmente pela Apple, que também amarga quedas sucessivas em seus valores de ações.

Fontes: Yahoo Finance, Business Insider