Naves espaciais da Blue Origin para turistas não terão banheiro

Por Redação | 18.04.2017 às 13:03

Os turistas que sonham em conhecer o espaço terão de pensar duas vezes antes de decidirem viajar pela Blue Origin, comandada por Jeff Bezos, CEO da Amazon. Isso porque o executivo revelou que a aeronave que levará os passageiros não vai permitir que eles usem o banheiro e, caso se sintam enjoados, não haverá nenhum recipiente para vomitar.

"Vão ao banheiro antecipadamente", alertou Bezos durante o 33º Simpósio Espacial, realizado no início deste mês. De acordo com o empresário, as cápsulas da New Shepard, a primeira nave que sairá da nossa atmosfera, não foi projetada para suportar espaços adicionais além daqueles destinados aos passageiros. Na verdade, ela é bastante compacta: são apenas seis poltronas giratórias, cada uma com uma janela própria, e nada além disso.

Bezos acredita que não haverá incidentes envolvendo enjoos ou uma vontade brusca de usar o banheiro, mesmo em pessoas de estômago mais fraco. Segundo o fundador da varejista americana, os voos da New Shepard serão rápidos - cerca de 40 minutos, sendo que os primeiros 11 minutos são só da decolagem. Os turistas ficarão orbitando por quatro minutos, tempo em que poderão aproveitar uma vista privilegiada do nosso planeta.

Também foi confirmado de que não há planos para alterar o design das cápsulas e integrar banheiros ou sistemas de dejetos humanos, pelo menos por enquanto. "As pessoas não passam mal imediatamente. Não vamos nos preocupar com isso. É um efeito retardado [provocado pelo início] da viagem, que leva entre 10 e 11 minutos. Então os turistas vão ficar bem", disse Bezos.

A Viagem

A New Shepard é um veículo totalmente autônomo, o que significa que não haverá um piloto humano a bordo, apenas passageiros comuns. Os turistas chegarão nas instalações da Blue Origin em Van Horn, no Texas (Estados Unidos), dois dias antes do lançamento da nave, onde farão um rápido treinamento e conhecerão os profissionais da empresa. Estes, por sua vez, poderão ser contatados pelos passageiros mesmo quando chegarem ao espaço.

A nave viajará para até certo ponto acima da linha de Kármán, um limite que fica a uma altitude de 100 km acima do nível do mar. Essa distância é considerada como o limite entre a atmosfera terrestre e o espaço exterior e, a partir dessa altitude, os turistas vão experimentar a gravidade zero, ver a curva da Terra e enxegar a escuridão do espaço. Os primeiros voos estão agendados para algum momento de 2018.

O turismo espacial deve ser algo comum nos próximos anos, mas ainda está longe de ser acessível. A Blue Origin ainda não divulgou os preços de suas passagens - para efeito de comparação, a Virgin Galactic, companhia do bilionário Richard Branson, está vendendo passes entre US$ 200 mil e 250 mil, mesmo sem ter uma data confirmada para o lançamento das naves. Bezos espera que, com o tempo, os valores diminuam de forma significativa.

Fonte: Space