Making a Murderer: personagem de documentário da Netflix será solto

Por Redação | 15 de Novembro de 2016 às 20h05

Brendan Dassey, o homem que teve sua história retratada na série documental da Netflix Making a Murderer, teve a ordem de soltura expedida pela justiça norte-americana na última segunda-feira (14).

Em agosto, um tribunal do estado de Wisconsin anulou a condenação de Dassey, que ficou 11 anos preso desde a sua condenação, aos 16 anos de idade. Agora, o juiz federal William Duffin decidiu que Dassey deveria ser solto. No entanto, apesar da ordem de soltura, o rapaz ainda pode ser julgado pelo mesmo crime caso um promoter opte por indiciá-lo novamente.

A série da Netflix, que retrata as falhas do sistema judiciário dos Estados Unidos, exibiu o caso de Dassey, atualmente com 27 anos, e de seu tio Steven Avery, de 54 anos, que foram condenados à prisão perpétua após serem acusados de assassinar a fotógrafa Teresa Hallbach em 2005. No entanto, vários elementos mostrados pelo serviço de streaming levam a pensar que Dassey e Avery foram acusados injustamente.

De acordo com o juiz que emitiu a anulação da condenação, a desastrosa defesa do réu um dos fatores determinantes para a sua prisão. “Os investigadores asseguraram a Dassey que ele não devia se preocupar. Essas repetidas e falsas promessas, somadas a outros fatores, como a idade de Dassey, seu déficit intelectual e a ausência de um adulto a seu lado durante o interrogatório, fazem com que as confissões de Dassey sejam involuntárias”, disse o juiz Duffin.

Depois do lançamento da série na Netflix sobre o caso, se multiplicaram os pedidos de liberação do jovem e de seu tio, a ponto da Casa Branca ter recebido uma petição com mais de 130.000 assinaturas pedindo o perdão presidencial. A petição disse que “há claras evidências de que a delegacia do xerife de Manitowoc [condado rural no norte dos EUA] usou métodos inapropriados.”

Via Telegraph

Siga o Canaltech no Twitter!

Não perca nenhuma novidade do mundo da tecnologia.