Quer um endereço de e-mail da NSA.org? Você pode comprá-lo por US$ 139

Por Redação | 18 de Setembro de 2013 às 13h37

Se toda essa história de agência secreta do governo, serviço de inteligência, espionagem, Edward Snowden, Carmen Sandiego e afins te fez lembrar que seu sonho de infância era ser um espião, então este é o seu dia de sorte. Agora você pode chegar um pouco mais perto disso e conseguir seu próprio endereço de e-mail da NSA.org por apenas US$ 139.

O proprietário do domínio NSA.org está vendendo endereços de e-mail e subdomínios para qualquer pessoa que esteja disposta a pagar o equivalente a cerca de R$ 312. E parece que o negócio está prosperando, pois em menos de cinco dias ele elevou o preço, que antes era de US$ 100, e deixou um recado no site dizendo que "cada venda contará com um aumento de preço".

O homem por trás do site é Chris Fisher, um consultor de TI de 40 anos de idade que registrou o domínio em 1995, porque na época achou que "era um domínio divertido" para ser usado em fóruns e salas do IRC [protocolo de comunicação] e conversar com hackers rivais, de acordo com sua entrevista ao Mashable.

Na época, os domínios eram baratos e Fisher aproveitou para registrar uma série deles. Desde então, ele manteve o domínio com a sigla da Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos e até mesmo recusou ofertas de pessoas que queriam comprá-lo.

O consultor de TI se recusou a especificar quais ofertas recebeu, dizendo que a maioria delas partiu de organizações sem fins lucrativos, embora "uma das maiores tenha sido da Associação Nacional de Fumantes no final de 1990". Em inglês, a sigla dessa associação também é NSA (National Smokers Association).

Como Fisher não é bobo, ele está aproveitando que a NSA está em alta em todo o mundo para ganhar alguns dólares vendendo endereços de e-mail para aqueles que querem dar uma de espiões ou apenas brincar com os amigos. Ele deve agradecer profundamente a Edward Snowden por ter divulgado os documentos que causaram a fama repentina da Agência.

Ele também disse que está conversando com o WikiLeaks. "Nós poderíamos fazer algo juntos", explicou o consultor, mas ele se recusou a dizer exatamente quais são seus planos. "Eu, particularmente, acho que seria muito engraçado ter documentos saindo desse domínio", acrescentou Fisher.

Siga o Canaltech no Twitter!

Não perca nenhuma novidade do mundo da tecnologia.