Para alegrar sua sexta: estudo comprova cientificamente os benefícios da cerveja

Por Redação | 19 de Abril de 2013 às 11h00

Quando você toma um gole de cerveja, seu corpo experimenta uma sensação distintamente agradável, e não estamos falando de beber até ficar embriagado. A causa desse prazer associado à cerveja se deve a mudanças químicas tangíveis que acontecem no nosso cérebro.

Pesquisadores da Universidade de Indiana publicaram um estudo na revista Nature explicando que o sabor da cerveja, com sua mistura de malte, lúpulo e levedura, é capaz de aumentar nossos níveis de dopamina. Estudos anteriores já haviam mostrado que o motivo de o álcool induzir à sensação de prazer é que a intoxicação conduz a liberação de dopamina, que também está associada ao uso de drogas, sono e sexo.

Esse neurotransmissor é responsável por uma sensação de recompensa para o cérebro. Porém, essa nova pesquisa sugere que, para algumas pessoas, a intoxicação alcoólica não é necessária, pois o próprio sabor da cerveja pode provocar a liberação do neurotransmissor em poucos minutos.

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores deram pequenas quantidades de cerveja para 49 homens adultos e acompanharam as mudanças em sua química cerebral com um scanner de tomografia por emissão de pósitrons (PET), que mede os níveis de várias moléculas no cérebro. Eles escolheram diferentes tipos de participantes com diferentes níveis de consumo de álcool, desde os quase abstêmios até bebedores hard.

Para desvincular as alterações químicas no cérebro com a intoxicação, eles utilizaram um sistema automatizado para pulverizar apenas 15 ml de cerveja na língua de cada participante ao longo de 15 minutos. E o resultado foi significativo. Quando os homens provaram a cerveja, o nível de dopamina em seus cérebros aumentou em poucos minutos em comparação com a realização do mesmo teste feito com água ou bebidas isotônicas.

Curiosamente, a quantidade de dopamina liberada pelos participantes não foi aleatória. Aqueles que possuíam um histórico familiar de alcoolismo (relatado durante a pesquisa) apresentaram níveis mais elevados de dopamina após a degustação da cerveja em relação aos demais participantes. Já os participantes que costumavam pegar pesado na bebida, mas não tinham histórico de alcoolismo na família, apresentaram níveis médios de dopamina.

Os pesquisadores concluíram ainda que a libertação imediata de dopamina a partir do sabor da cerveja serve como um poderoso mecanismo que impulsiona os desejos das pessoas, e uma tendência para querer experimentar essa explosão de prazer pode ser geneticamente herdada. Isso pode ser parte da razão pela qual as pessoas com um histórico familiar de alcoolismo são duas vezes mais propensas a enfrentar o mesmo tipo de problema.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.