Drone norte-americano mata líder do Al-Shabab na Somália

Por Redação | 20.03.2015 às 07:41

O Departamento de Defesa dos Estados Unidos confirmou a morte de Adan Garar, líder do grupo jihadista Al-Shabab. Informações divulgadas nesta semana indicam que o militante foi atingido por um drone equipado com mísseis Hellfire no sul da Somália na última sexta-feira (13).

Adan Garar era suspeito de participar do ataque terrorista no shopping de Nairóbi, Quênia, que deixou 67 pessoas feridas em 2013. Os Estados Unidos acreditam que ele estava supervisionando operações que tinham como alvo "pessoas dos EUA e outros interesses ocidentais". O terrorista era membro da ala de segurança, de inteligência e responsável chave pela coordenação de operações externas do Al-Shabab, de acordo com o Pentágono.

Míssil Hellfire

Drone equipado com Míssil Hellfire (Imagem: Reprodução)

A operação norte-americana aconteceu a cerca de 240 quilômetros a oeste de Mogadíscio, perto da cidade de Dinsoor. O Departamento de Defesa dos Estados Unidos disse em comunicado que a morte de Garar foi outro golpe significativo para a organização terrorista na Somália. Horas antes de o Pentágono confirmar a notícia, um ataque do Al-Shabab matou quatro pessoas no nordeste do Quênia.

Os Estados Unidos têm lançado ataques aéreos por meio de aviões não tripulados contra o grupo somali nos últimos meses. Destaque para um que matou o ex-líder do Al Shabab, Ahmed Godane, e outro, há pouco mais de um mês, realizado por drones que matou o então chefe de Inteligência do grupo jihadista somali Al Shabab, Abdi Nouri Mahdi.

Veja também: Conheça alguns dos novos avanços militares da China

Fonte: BBC e EFE