De robôs a casas inteligentes, veja 7 previsões da Kaspersky Lab para 2045

Por Redação | 23.01.2015 às 16:00
photo_camera Divulgação

Todos os dias, nós do Canaltech e diversos sites de tecnologia espalhados mundo afora publicam notícias que apontam para um único cenário: um futuro dominado por máquinas, robôs, internet e todo o tipo de aparelho ou serviço conectado. Tais apostas já são previstas para os próximos dez anos, mas e para daqui 30 anos? Como isso tudo terá evoluído e será integrado ao nosso dia a dia?

Especialistas da Kaspersky Lab já imaginaram isso e como a tecnologia vai transformar nossas vidas nas próximas três décadas. Muito do que é especulado já começou a dar as caras, como casas inteligentes e impressoras 3D, enquanto outras previsões vão mais além e apontam para a extinção dos computadores como os conhecemos hoje.

"A atual taxa de desenvolvimento em TI torna difícil a previsão precisa de onde estaremos daqui a algumas décadas. No entanto, fica claro que a cada ano nossas tecnologias vão ficar ainda mais inteligentes e as pessoas que trabalham com elas terão de acompanhá-las. Podemos ter certeza de que os criminosos vão continuar a fazer todos os esforços para explorar qualquer novo avanço de TI para os seus próprios fins maliciosos ", diz Alexander Gostev, Especialista-Chefe em Segurança da Kaspersky Lab.

Veja abaixo as sete previsões da Kaspersky Lab para a nova realidade digital de 2045.

1. Robôs em todos os lugares

Em pouco tempo, é provável que a população mundial inclua, além de bilhões de pessoas, milhares de robôs, que ficarão encarregados de quase todo o trabalho pesado e de rotina. Enquanto isso, os humanos vão desempenhar tarefas na melhoria dos softwares dessas máquinas e a indústria de TI será o lar de empresas que desenvolvem programas para robôs, como já acontece hoje em dia com o desenvolvimento de aplicativos para usuários baixarem em seus aparelhos móveis.

2. "Ciborgues" e pessoas mecânicas

Até certo ponto, os limites entre robôs e seres humanos serão confusos. Transplantes vão começar a utilizar órgãos artificiais controlados eletronicamente e implantes de próteses serão procedimentos cirúrgicos de rotina. Nanorobôs vão viajar profundamente dentro do corpo humano para entregar drogas a células doentes ou realizar microcirurgias. Sensores especialmente instalados irão monitorar a saúde das pessoas e armazenar suas descobertas na nuvem, que poderá ser acessada pelo médico local. Tudo isso deve levar a um aumento considerável da expectativa de vida.

3. Casas inteligentes

Elas já existem, mas serão ainda mais aprimoradas nos próximos 30 anos. O software que coordena a casa cuidará do abastecimento de energia, água, alimentos e suprimentos para consumo. A única preocupação dos moradores será garantir que exista dinheiro suficiente em suas contas bancárias para pagar as contas e o conforto que esses lares futuristas irão proporcionar.

4. Hiperinteligência

Nossos alteregos digitais estarão formados de maneira única em uma estrutura global capaz de se autorregular e se envolver no gerenciamento da vida no planeta. O sistema funcionará mais ou menos como os TOR (The Onion Router) de hoje: os usuários mais ativos e eficazes ganharão os direitos de moderadores. O sistema será voltado para a distribuição de recursos entre pessoas, para a prevenção de conflitos armados e outras ações humanitárias.

5. Impressão 3D: mais rápida e barata

Quem já viu uma impressora 3D em ação sabe que, apesar de serem capazes de imprimir uma grande quantidade de objetos - desde maquetes e acessórios até chocolate e pizza -, esses aparelhos demoram horas para entregar o produto final. No futuro, os dispositivos da categoria vão permitir projetar e criar o que precisamos, desde utensílios domésticos, como pratos e roupas, até tijolos de construção, em um período muito mais curto do que os atuais. E isso tudo dentro de nossas casas.

6. Fim dos computadores

O PC pode ter iniciado todo o boom de TI, mas tudo indica que, em 2045, esses dispositivos serão itens de museu. Isso porque não vamos precisar de uma única ferramenta para trabalhar com dados - que é basicamente tudo o que um computador faz. Haverá uma gama ainda maior de dispositivos inteligentes que realizarão com precisão todas as funções dos PCs de hoje. Por exemplo, a análise financeira será feita através de um servidor controlado pela empresa com a utilização de documentos eletrônicos e não por um contador em um computador pessoal.

7. Tecnofobia

As previsões para os próximos anos são promissoras, mas nem todo mundo vai estar animado com este novo mundo intensamente robótico. Novos movimentos surgirão para se opor ao desenvolvimento de casas inteligentes, estilos de vida automáticos e robôs. Os opositores à evolução da TI não usarão sistemas inteligentes, aparelhos ou robôs para certos tipos de trabalho e não terão qualquer identidade digital.

"Independentemente de como parecerá nosso mundo em 30 anos, devemos começar a melhorar agora seu conforto, segurança e bem-estar. A tecnologia é apenas uma ferramenta e só depende de nós se vamos usá-la para o bem ou para o mal”, conclui Gostev.