Xenofobia pode fazer Microsoft remanejar funcionários dos EUA

Por Carlos Dias Ferreira | 12 de Julho de 2018 às 14h24
Tudo sobre

Microsoft

Em face à recente crise de xenofobia endossada pela administração Trump e materializada por ataques escancarados nas ruas, a Microsoft considera atualmente enviar vários dos seus funcionários de outras origens para fora dos EUA como medida de segurança. Segundo a companhia, a ideia é manter seus empregados à salvo de políticas públicas “cujo objetivo é tornar residentes mais hostis em relação aos imigrantes”.

Assim como diversas outras companhias do Vale do Silício, grande parte do efetivo da Microsoft se concentra nas mãos de empregados estrangeiros. A companhia reforça, entretanto, que a medida é tomada totalmente a contragosto. “Nós não gostaríamos de proceder dessa forma, mas faremos isso se decisões tomadas na Casa Branca tornarem necessário”, disse o diretor jurídico da multinacional, Brad Smith, em entrevista à rede CNBC.

“Não queremos mover postos de trabalho para fora dos EUA, e esperamos não ver decisões tomadas em Washington que nos obriguem a fazer isso. Mas nós não deixaremos as pessoas desamparadas. Nós vamos apoiá-las. No mundo da tecnologia, é melhor você apoiar as pessoas, porque elas são o seu bem mais valioso.”

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Caso o remanejo seja inevitável, uma das principais escolhas deve ser a sede da Microsoft em Vancouver, no Canadá – localidade próxima para onde podem ser enviados os imigrantes em caso de intensificação nas ondas de hostilidade atualmente em curso.

Políticas públicas anti-imigração da adminsitração Trump tem promovido ondas de violência nos EUA.

“Nós entendemos o outro lado”

Como uma saída diplomática, entretanto, a Microsoft diz compreender as reivindicações de nativos dos EUA – sobretudo os que foram “deixados de lado” pela modernização que, discutivelmente, tem cortado postos de trabalho.

“Eu acho que precisamos mostrar que, por um lado, nós apoiaremos questões relacionadas à imigração sempre que isso tiver impacto nos nossos interesses”, afirmou Smith ao referido site. “Mas também precisamos mostrar que nós entendemos, que compreendemos o que essas outras partes do país necessitam, e por isso precisamos dar passos seguros para dirigir nossa atenção a essas necessidades.”

A crescente intolerância em relação a imigrantes nos EUA promovida, em parte, pela administração Trump tem tornado cada vez mais perigosa a estadia de profissionais vindos de outros países. Isso fez com que empresas como Uber, Amazon e a própria Microsoft adotassem contramedidas para proteção de funcionários estrangeiros.

Fonte: CNBC

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.