Trabalho remoto e pacotão de benefícios: como a Hash escala equipes de TI

Trabalho remoto e pacotão de benefícios: como a Hash escala equipes de TI

Por Márcio Padrão | Editado por Claudio Yuge | 30 de Novembro de 2021 às 19h20
Free-Photos/Pixabay

A Hash tem a solução para a empresa que quer adquirir elementos de fintech sem se tornar uma. Fundada em 2017, a startup tem um software que permite que companhias forneçam recursos financeiros digitais a seus clientes, como maquininhas e cartão, app, operações de vendas e transações de débito e crédito. É possível integrar parte disso, ou até tudo isso, ao ecossistema de cada empresa de forma personalizada.

A carteira de clientes da Hash incliu empresas de setores como bem-estar, farmacêutica, moda e mecânica. A startup afirma ter aumentado em seis vezes o número de transações realizadas na sua plataforma desde abril, quando anunciou aporte de US$ 15 milhões (R$ 81 milhões).

Em outubro, anunciou a captação de mais US$ 40 milhões (R$ 223 milhões) em rodada série C coliderada pelos fundos QED Investors e Kaszek, com participação da Endeavor Scale-Up Ventures. Com isso, deve aumentar o tamanho da equipe, dos 180 atuais para 190 funcionários até o fim do ano.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Se você é profissional de tecnologia da informação e essas credenciais o animaram, tem "mais uma coisa", como diz a Apple. A Hash desde sempre foi remote first, ou seja, deixa a equipe trabalhar do conforto do lar. Mas há um escritório em São Paulo com a infraestrutura necessária para quem prefere o modelo presencial.

"Optamos por esse modelo não só como uma forma de benefício, mas também porque permite contratações em qualquer lugar do Brasil e do mundo. Contamos com profissionais em diversos estados e também fora do país", diz Marcela Zaidem, chefe de pessoas da Hash, em entrevista ao Canaltech.

Marcela Zaidem, chefe de pessoas da Hash (Imagem: Divulgação/Hash)

A seleção

A Hash conta com uma equipe interna de recrutadores que olha o mercado para trazer profissionais adequados para a empresa. Um dos critérios é que eles estejam alinhados à cultura da empresa, que nas palavras de Zaidem, envolve "empenho para construir o próximo case de tecnologia do Brasil".

"Nosso time é formado por pessoas independentes, curiosas e colaborativas. Incentivamos a autonomia e prezamos pela confiança. Na Hash, todos têm poder de decisão real sobre a execução do seu trabalho", diz a executiva. Sobre os conhecimentos técnicos, as principais linguagens de programação esperadas são Go, Node e Kotlin. "Mas estamos sempre abertos para ampliarmos e/ou revisarmos a nossa stack", salienta ela.

O profissional também precisa ter experiência prática adequada ao cargo, com bases sólidas em engenharia de software. Como soft skills, observam autonomia, colaboração e autenticidade.

O processo seletivo é liderado pela equipe de atração de talentos e há três etapas: introdução à empresa, um desafio técnico sobre o conhecimento ligado ao cargo e entrevistas culturais. Na contratação, o novo profissional — ou "Hasher", como a empresa chama — ganha kit de boas-vindas, uma apresentação e uma conversa sobre engajamento. Ao longo da rotina de trabalho, há ações de reforço sobre os objetivos estratégicos da empresa.

Para reter funcionários, a empresa aposta na faixa salarial e no pacote de benefícios. Zaidem não cita valores do primeiro item, dizendo apenas que é "bastante competitiva". Mas elencou os do segundo: plano de saúde, vale-transporte e refeição, auxílio home office, auxílio terapia, licença maternidade e paternidade estendidas, auxílio para desenvolvimento pessoal, aulas virtuais de yoga e cardio, além de carga horária flexível.

Fora tudo isso, a empresa afirma alimentar uma cultura "segura, agradável e saudável" para as equipes. "Todos possuem autonomia para execução de suas tarefas e mantemos os canais de diálogos sempre abertos. Prezamos pela cultura colaborativa, ouvimos as necessidades de todas as pessoas individualmente e como time e buscamos sempre tomar as melhores decisões para cuidar de cada um dos nossos colaboradores", define Zaidem.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.