Loggi terá escritório 100% remoto de forma permanente para parte da equipe de TI

Loggi terá escritório 100% remoto de forma permanente para parte da equipe de TI

Por Rui Maciel | 15 de Janeiro de 2021 às 07h45

Assim como boa parte das empresas, a pandemia da COVID-19 obrigou os funcionários do aplicativo de entregas Loggi a se adaptar ao home office muito rapidamente - mais precisamente em questão de dias. No caso do app, esse processo ocorreu em meados de março e sem saber quanto tempo ele iria durar. Passados dois meses, a companhia decidiu que ficaria nesse regime até o fim de 2020. E agora, planeja ir além.

Isso porque, além de prorrogar o home office para seus funcionários até o fim de 2021, a Loggi planeja abrir uma espécie de "escritório" 100% remoto ainda esse ano. E o primeiro setor a experimentar será o de Tecnologia (incluindo Produto, Dado, Design e Engenharia), com parte do time trabalhando sob esse sistema. 

"Nesse primeiro momento, o objetivo em mantermos o home office até dezembro deste ano é para dar previsibilidade às pessoas, uma perspectiva para que elas possam se planejar, seja no trabalho, seja para a escola dos seus filhos ou em outras atividades de longa duração", afirmou Mônica Santos é: vice-presidente de Pessoas da Loggi, em entrevista ao Canaltech.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

"O segundo passo é este escritório 100% remoto, começando com a nossa área de Tecnologia, com um contrato permanente nesse formato", continua a executiva. "E há diversas vantagens nesse formato: além da praticidade de poder trabalhar em casa, evitando perda de tempo com trânsito, por exemplo, conseguiremos acessar um pool de candidatos maior, teremos a chance de contratar pessoas talentosas em todo o Brasil, mas que não necessariamente estão dispostas a trabalhar em São Paulo por N motivos, como ficar longe da família e dos amigos, ou, simplesmente, porque gosta da sua vida na cidade em que está. Esse contrato CLT, mas remoto, elimina essas barreiras e permite que a Loggi tenha um time ainda mais qualificado". 

Passo a passo

O projeto de trabalho remoto permanente será implementado já nesse semestre, com o processo sendo feito em fases, começando, claro, pelo recrutamento dos profissionais. No entanto, Santos afirma que a equipe de pessoas da Loggi vai entender e aprender como vem sendo a demanda do mercado durante a implementação desse novo regime laboral, analisando como as equipes vão funcionar. 

"Enquanto está todo mundo em home office temos um cenário; enquanto está todo mundo trabalhando presencialmente, você tem outro. E em um sistema híbrido [presencial e home office], você tem um terceiro cenário, com outra dinâmica e uma complexidade maior. Então vamos aprendendo nessas três situações, como montar times que funcionam bem, como aperfeiçoar a comunicações entre as pessoas, etc", continua Santos. 

Por enquanto, Mônica afirma que a sua equipe está definindo qual será o percentual da equipe de Tecnologia trabalhará nesse regime de home office permanente e que as decisões sobre a questão serão tomadas ao longo do ano, para fazer com que o modelo funcione bem. "É menos sobre quantas pessoas vão trabalhar nesse sistema e mais sobre como fazer esse regime funcionar de maneira efetiva, para que as pessoas tenham sucesso em suas funções". 

Apenas Brasil

Ainda que o modelo de trabalho remoto permanente da Loggi permita que o funcionário trabalhe de qualquer lugar do mundo, esse modelo, no entanto, será válido apenas para profissionais que moram no Brasil. Como os colaboradores trabalham sob o regime de CLT.

"Nesse momento, os funcionários precisarão seguir a legislação trabalhista brasileira, ser um residente fiscal do Brasil", declara Mônica. "No entanto, ele pode passar um tempo em outros países, sem problema nenhum, mas, uma pessoa que vive 100% do tempo fora do Brasil não é uma residente fiscal, logo, eu não poderia contratá-la nesse modelo. Há outros modelos de relações trabalhistas que permitiriam isso, mas não é o que estamos propondo nesse momento. Mas, no futuro, pode ser que a gente pense em outros modelos". 

As outras áreas da Loggi podem entrar no sistema de home office permanente?

Segundo a vice-presidente de pessoas da Loggi, a resposta é sim. Segundo ela, o processo de aprendizado, ver o que funciona e o que não funciona, será essencial para expandir esse programa.

"A gente já sabe que o home office funciona, porque já está funcionando. Sabemos que nesse regime, existem elementos que se perdem por não termos a possibilidade de estar junto dos colegas, mas também há muitas vantagens", afirma. "Para as pessoas, de diversas áreas, que moram longe da Loggi Tower [sede da Loggi], o home office melhorou muito a qualidade de vida delas. Elas não perdem duas, três horas no trânsito para chegar até o escritório. Se está funcionando, vamos manter, sim, um regime flexível e ampliar isso para todas as nossas áreas. É um caminho sem volta. Mas, ao mesmo tempo, não acredito que a gente seja uma empresa que não queira ter um escritório, estar 100% remoto. A gente acredita que algumas trocas, algumas interações, funcionam muito melhor presencialmente, com muitos problemas sendo resolvidos rabiscando um quadro e trocando ideias. Isso, no meu ponto de vista, é essencial". 


Logo, se você trabalha com Tecnologia (e também em outras áreas) e quer tentar uma vaga na Loggi, visite a página de Carreira da empresa, clicando nesse link para ver as vagas disponíveis. 

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.