Juiz da Nova Zelândia decide que Kim Dotcom pode ser extraditado para os EUA

Por Redação | 23 de Dezembro de 2015 às 09h28

A novela sobre o caso de extradição dos fundadores do finado site de compartilhamento Megaupload, Kim Dotcom, Mathias Ortmann, Bram van der Kolk e Finn Batato, pode finalmente estar chegando ao fim - e o resultado não parece bom para Dotcom e seus colegas.

O juiz neozelandês responsável pelo caso, Nevin Dawson, decidiu nesta quarta-feira (23) que o grupo pode ser extraditado da Nova Zelândia para responder criminalmente nos Estados Unidos pelas acusações que recaem sobre eles.

A decisão de Dawson sai exatamente um mês após o fim do processo de deliberações e depoimentos do caso na corte neozelandesa, que durou um total de nove semanas. Em sua decisão, o juiz afirmou que "a preponderância das evidências" estabelece que os Estados Unidos têm um caso válido contra os quatro cofundadores do serviço, o que justificaria a extradição dos réus.

Através de sua conta no Twitter, um dos advogados de Dotcom, Ira Rothken, disse que a decisão "não fez justiça" e que espera agora que ela seja revista na corte. Os advogados dos quatro réus afirmaram ainda que vão apelar contra a decisão de Dawson. Uma das questões levantadas após a decisão do juiz neozelandês é qual o verdadeiro tamanho da jurisdição dos Estados Unidos na era da Internet, já que Dotcom corre o risco de responder por crimes no país sem nunca ter pisado lá - segundo ele mesmo.

Apesar da decisão negativa, os quatro réus ainda continuarão na Nova Zelândia, já que a Ministra da Justiça do país, Amy Adams, afirmou que só tomará sua decisão sobre a extradição após o esgotamento de todas as apelações possíveis. Enquanto isso, Dotcom, Ortmann, van der Kolk e Batato permanecem em liberdade sob fiança.

Os fundadores do site, fechado há quatro anos pelas autoridades norte-americanas, são acusados de crimes que incluem conspiração para quebra de copyright, lavagem de dinheiro e fraude. A estimativa da promotoria é que o site de Kim Dotcom pode ter movimentado ao menos US$ 175 milhões, principalmente através dos downloads de filmes piratas através da plataforma.

Fonte: Mashable

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.