Jeff Bezos compara espaço com internet e prevê uma raça humana multiplanetária

Por Redação | 20.10.2016 às 22:51 - atualizado em 20.10.2016 às 23:18
photo_camera Divulgação

Espaço: a fronteira final. É parafraseando Gene Roddenberry que vamos falar de Jeff Bezos, o fundador da Amazon que, desde que viu Neil Armstrong pisando na lua há quase 50 anos, nunca mais deixou de sonhar com o espaço. A fixação e a sede de ir aonde nenhum homem jamais esteve foram levadas tão a sério que o CEO não ficou só com a gigante do varejo para chamar de sua — é ele também o responsável pela empresa de foguetes e exploração espacial Blue Origin, que está há 16 anos no mercado.

Em um evento realizado nesta semana pela Vanity Fair em São Francisco, nos Estados Unidos, o executivo falou dos paralelos que existem entre a internet e a comercialização do espaço (o que não é novidade nenhuma), mas intrigou muita gente ao fazer uma ligação bem forte entre o trabalho que ele vem desempenhando na Amazon e o que vem empregando na Blue Origin.

Bezos revelou que o principal objetivo da Blue Origin é construir no espaço algo comparável à mesma infraestrutura que a internet tinha quando a Amazon ainda engatinhava, em 1995. Para ele, é necessário trabalhar pesado no quesito reutilização de foguetes espaciais, e é isso que a Blue Origin — e a concorrente SpaceX, de Elon Musk — vem fazendo, a fim de reduzir consideravelmente os custos de envio de cargas para o espaço.

BLUE ORIGIN

Um dos lançamentos do foguete reutilizável New Shepard, da Blue Origin, no ano passado

No entanto, ele coloca os pés no chão e diz que, no momento, há uma série de restrições que o impedem de colocar o espírito empreendedor que impulsionou a Amazon em ação no ramo da exploração espacial. "Precisamos dar um jeito de baratear os custos", explica.

No ano passado, o foguete New Shepard, da Blue Origin, conseguiu ir e voltar do espaço por cinco vezes, em uma série de testes. Se tudo continuar como Jeff espera, no ano que vem já começaremos a ver astronautas a bordo dos foguetes da companhia. E, em 2018, será possível enviar pessoas comuns para fazer turismo no espaço. O CEO também planeja inaugurar um sistema de lançamento chamado New Glenn, com base na Flórida, bem como um super-foguete chamado New Armstrong, capaz de ir além da órbita terrestre.

Jeff Bezos segue confiante e mostra que o objetivo da Blue Origin é um sonho capaz de se tornar realidade em muito menos tempo do que nós imaginamos. Ele quer enviar milhões de pessoas para trabalhar no espaço, e para tanto, não deixa de repetir seu mantra: "faremos da humanidade uma espécie multiplanetária".

Via GeekWire, The Verge.