Fortuna de Bill Gates chega a US$ 90 bilhões

Por Redação | 24.08.2016 às 19:47
photo_camera Bill and Melinda Gates Foundation

Na visão da americana Bloomberg, Bill Gates continua como o homem mais rico do mundo, e expandindo cada vez mais sua fortuna. Pela primeira vez, o valor total do fundador da Microsoft ultrapassou a marca dos US$ 90 bilhões, fazendo com que ele tenha um dos cinco melhores ganhos financeiros do mundo.

Ao contrário do que poderia se esperar, entretanto, esse aumento não está relacionado à Microsoft, mas sim a duas empresas menores, nas quais Gates tem participação. A alta nas ações da Canadian National Railway, empresa ferroviária canadense, e do Ecolab, um laboratório de desenvolvimento de tecnologias sustentáveis, foi responsável pelo crescimento em sua fortuna.

O destaque, inclusive, fica para o segundo nome, no qual Gates possui uma participação de 25%. Foi justamente esse novo aporte de dinheiro que permitiu à Ecolab expandir seus negócios, adquirindo, principalmente, empresas do ramo de higiene e saneamento, trabalhando lado a lado com setores fundamentais como a indústria alimentícia e hospitalar, além de melhorar sua posição no fornecimento e tratamento de água, algo que vai de encontro com o trabalho filantrópico exercido pelo bilionário.

De acordo com os números do Blomberg, Gates também possui o quarto maior crescimento em sua fortuna até agora, com ganhos de mais de US$ 6 bilhões ao longo do ano. Isso foi mais do que suficiente para solidificar sua posição no topo do ranking, bem à frente do segundo colocado, Amancio Ortega, proprietário de marcas como Zara, por exemplo. O espanhol tem uma fortuna calculada em US$ 76 milhões.

Na visão da Bloomberg, o top de pessoas mais ricas do mundo é completado pelo investidor Warren Buffett, com uma fortuna de US$ 66,8 bilhões; Jeff Bezos, da Amazon, com US$ 66,2 bilhões; e Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, com US$ 54,7 bilhões. A primeira mulher da lista aparece na 13ª colocação e é Liliane Bettencourt, empresária e dona de quase 34% da marca de cosméticos L’Oréal, com US$ 38,4 bilhões.

Fontes: CNN Money, Blomberg