Bill Gates completa 60 anos. Relembre a vida do guru da Microsoft

Por Douglas Ciriaco | 28 de Outubro de 2015 às 18h31

Nascido em 28 de outubro de 1955, em Seattle, Estados Unidos, e registrado como Willian Henry Gates III, Bill Gates tem seu nome gravado na história da humanidade. Isso porque ele apostou na computação e foi capaz de expandir seus negócios e o alcance de seus produtos a ponto de criar um império.

Um dos responsáveis pela concepção do sistema operacional que revolucionou a computação pessoal, Gates completa nesta quarta-feira 60 anos de idade. Cofundador da Microsoft aos 19 anos, o estadunidense foi conhecido como o homem mais rico do mundo por diversos anos, deixou o comando da Microsoft, dedicou parte de sua fortuna à filantropia e não cansou de se envolver em inúmeras polêmicas.

Relembre agora a vida, algumas polêmicas e alguns dos principais feitos do agora sexagenário Bill Gates.

Primeiras aventuras, Traf-o-data e Altair 8800

Oriundo de uma família de classe média na efervescente cidade de Seattle, Gates teve o primeiro contato com um computador aos 13 anos de idade, quando foi aceito na escola Lakeside, em sua cidade natal. De lá para cá, a relação do garoto com a máquina apenas cresceu, a ponto de a história de ambos serem praticamente inseparáveis.

Até os 16 anos de idade, Gates havia se dedicado a criação de software para máquinas de fliperama. Aos 17, quando já era um pesquisador visitante na University of Massachusetts at Amherst, desenvolveu junto do amigo Paul Allen um programa capaz de ler fitas magnéticas com informações de tráfego de veículos.

Bill Gates

Paul Allen e Bill Gates em 1981. (Foto: Reprodução/Living Computer Museum)

Juntos, os dois fundaram a Traf-o-data para comercializar sua recente invenção, mas não conseguiram ir muito longe. Ao que tudo indica, os clientes não se empolgaram com a companhia após descobrir a pouca idade de seus fundadores, mas a dupla continuou no ramo.

Aos 19 anos, Bill Gates já estudava em Harvard quando projetou novamente ao lado de Allen o software do computador pessoal Altair 8800. Com arquitetura baseado no CPU Intel 8800, a máquina fez grande sucesso e mostrou para a dupla que algo ainda maior poderia estar por vir. Então, em 1975, eles fundam a Microsoft, uma das poucas companhias a investir exclusivamente nos PCs naquela época.

Parceria com a IBM

Depois do sucesso da Apple com o Apple II, o primeiro computador pessoal próximo daquilo que conhecemos atualmente, a IBM também resolveu entrar no ramo. Apesar de dominar o aspecto físico da coisa (ou seja, o hardware), ainda faltava o sistema operacional capaz de dar vida à máquina.

Assim, em seus primeiros anos de vida a Microsoft já recebeu a incumbência de fornecer o SO para o equipamento da IBM. Com US$ 50 mil, ele comprou um sistema de outra pequena empresa, fez algumas adaptações e o vendeu por US$ 8 milhões à IBM — nascia aí a base do MS-DOS.

Bill Gates

Altair 8800: o primeiro computador com software criado por Gates e Allen. (Foto: Reprodução/Wikimedia Commons)

O homem mais rico do mundo

Entre 1995 e 2007, Bill Gates liderou ininterruptamente o ranking da revista Forbes das pessoas mais ricas do planeta. Ao final deste período, sua fortuna pessoal avaliada em US$ 56 bilhões foi ultrapassada pelo montante acumulado pelo empresário mexicano Carlos Slim.

De lá para cá, Gates e Slim vêm se alternando no posto de sujeito mais rico do planeta, com Warren Buffet comendo pelas beiradas e ameaçando a dupla na ponta da tabela dos bilionários com a mais gorda conta bancária da face da Terra. Atualmente, o criador da Microsoft é o homem mais rico do mundo com uma fortuna avaliada em US$ 79,2 bilhões de acordo com a Forbes.

Um executivo repleto de controvérsias

Com Gates à frente da Microsoft, a empresa cresceu e se tornou o império, fazendo de seu presidente um homem bilionário aos 32 anos de idade. Contudo, as práticas adotadas por ele nem sempre foram pautadas na ética empresarial, o que levou um executivo da Intel a acusar Gates de “estender, abraçar e acabar” com a concorrência.

O executivo não teve pudores em usar o poder de sua empresa para reforçar o seu monopólio e, com isso, forçar outras empresas a seguirem as suas diretrizes. Sob a tutela de Gates, a Microsoft ameaçou retirar o pacote Office do Mac caso a Apple não desse preferência para o Internet Explorer em detrimento do Netscape Navigator.

Bill Gates

Bill Gates foi preso no Novo México, Estados Unidos, em 1977. (Foto: Reprodução/Wikimedia Commons)

Além disso, uma das principais parceiras comerciais da Microsoft, a Intel também foi ameaçada. A companhia de Bill Gates foi “aconselhada” pela aliada a não entrar no mercado de softwares para internet e, caso a “recomendação” não fosse acatada, ela poderia ter que arcar com consequências pesadas.

Pesaram ainda sobre a Microsoft processos antitruste nos Estados Unidos e na Europa, sempre na linha de combater as ações desleais com a concorrência praticada pela empresa sob a liderança de seu cofundador.

Feitos notáveis

Obviamente que nem só de ameaças a concorrentes (e às vezes até a parceiras) e monopólio viveu a Microsoft quando era liderada por Gates. Ele pode ser apontado, também, como um dos principais responsáveis por popularizar o formato de computador pessoal que conhecemos atualmente.

Seus esforços em levar o Windows para a maior quantidade possível de máquinas foi bem-sucedido. Isso apresenta uma série de pontos negativos, mas também tornou possível que muita gente tivesse contato com um sistema fácil de usar e acessível. No geral, Gates contribuiu para que a computação pessoal desse alguns passos adiante (apesar da insistência da Microsoft no famigerado Internet Explorer e no pouco trato com a web até bem pouco tempo atrás).

MS-DOS

Propaganda do MS-DOS, o primeiro sistema operacional da Microsoft. (Foto: Reprodução/Wikimedia Commons)

Saída da Microsoft

Principal executivo da Microsoft desde a sua fundação até 1998, quando nomeou o amigo Steve Ballmer como o novo presidente da empresa. A ideia de deixar o comando da empresa vinha da intenção de permitir que Gates se envolvesse mais em outras frentes da companhia, como “se dedicar mais ao desenvolvimento estratégico de produtos da Microsoft e a visualização da empresa a longo prazo”, como relatou a própria Microsoft em comunicado divulgado no dia 21 de julho daquele ano.

Oito anos depois de deixar o comando da companhia que ajudou a fundar, Bill Gates anuncia que abandonará suas funções dentro da Microsoft de forma gradativa até 2008, quando sairia de vez da empresa de Redmond. Sua principal intenção era dedicar-se integralmente à filantropia por meio da Fundação Bill & Melinda Gates, em conjunto com a sua esposa.

Eis que, em 27 de junho de 2008, Gates finalmente se desliga completamente da Microsoft. Atualmente, porém, ele ainda funciona como uma espécie de conselheiro da empresa, mas dedica a maior parte de seu tempo a vários projetos de filantropia.

Filantropia e polêmicas

Desde 2000, ano em que criou ao lado de sua esposa a Fundação Bill & Melinda Gates, o bilionário afirma já ter doado mais de US$ 30 bilhões em ações filantrópicas espalhadas pelo planeta.

A inspiração para o envolvimento em tais questões teria vindo durante sua participação em um projeto para levar computadores até regiões carentes, em 1997, e especialmente uma visita a um hospital precário que tratava vítimas da tuberculose em um país africano.

Polêmica 1: promoção da insegurança alimentar

Contudo, tais ações não estão livres de polêmicas. Exemplo disso é a parceria entre a fundação de Gates e sua esposa com empresas do agronegócio. Gates foi duramente criticado por grupos de proteção ambiental ao adquiri US$ 23 milhões em 500 mil ações da Monsanto, companhia responsável pelo desenvolvimento de sementes geneticamente modificadas (transgênicas).

Além disso, a Cargill, uma gigante dos comodities agrícolas que recebeu US$ 10 milhões de Gates, é acusada de avançar sobre pequenos agricultores, promover monopólios e intensificar desmatamentos em diversas partes do mundo. O envolvimento de Gates com este tipo de empresa levantou inúmeras suspeitas sobre as reais intenções do bilionário, que foi acusado de promover o uso de sementes transgênicas em países pobres da África e da Ásia e, com isso, a insegurança alimentar nessas regiões.

Polêmica 2: eugenia

Além destas acusações, muitas organizações sociais ao redor do mundo acusam Bill Gates de ser um eugenista devido aos seus projetos de controle populacional por meio de vacinas. A base para as acusações são próprias declarações de Gates, bem como a participação de seu pai como membro ativo de organizações eugenistas.

Além disso, declarações de Bill Gates afirmando que “nós sabemos como aumentar a produtividade agrícola, mas não tanto assim” e que “uma alta densidade populacional torna muito mais difícil resolver os problemas” de emprego e educação, como relata uma publicação da Forbes, também colaboram para esta visão.

De qualquer forma, em meio a polêmicas, feitos marcantes e um império construído, Bill Gates celebra hoje seis décadas de vida.

Fontes: The Guardian, Microsoft, The Economic Times, Business Pundit, ZDNet, Natural News, Forbes (1), Forbes (2)

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.