'Robôs vão acabar com muitos empregos', diz Bill Gates

Por Redação | 17.03.2014 às 16:07
photo_camera Divulgação

A tecnologia tem evoluído de forma tão rápida que muita gente não consegue acompanhar esse processo. E se você ainda duvida que em breve robôs, hologramas e outras ferramentas futuristas invadirão o nosso dia a dia, é melhor pensar duas vezes, já que até mesmo o homem mais rico do mundo acredita nessa teoria digna de filmes de ficção científica.

Em entrevista ao American Entreprise Institute, Bill Gates afirmou que estamos cada vez mais próximos do dia em que os robôs vão acabar com muitas vagas de empregos e deixar inúmeras pessoas sem trabalho. Como informa o Business Insider, o cofundador da Microsoft considera a situação preocupante e diz que empresas e governos precisam começar a preparar seus cidadãos para essa nova realidade.

"A substituição por software, seja para motoristas, garçons ou enfermeiros, está progredindo. A tecnologia ao longo do tempo vai reduzir a demanda por postos de trabalho, principalmente entre aquelas funções que exigem menos habilidades. Daqui a 20 anos, a procura por trabalho para determinados empregos será consideravelmente menor. E acho que as pessoas não têm consciência disso", declarou o executivo.

Para evitar o desemprego em massa, Gates defende a ideia de que os governos comecem desde já a oferecer novas oportunidades aos profissionais e capacitá-los para um futuro inevitável. O empresário afirma que essa pode parecer uma decisão difícil e cara, mas que dará às companhias mais confiança e credibilidade na hora de contratar funcionários humanos, em vez de tercerizar seus trabalhos para um iPad ou outro produto eletrônico.

Levando em consideração o pensamento de Bill Gates, a adoção de robôs e softwares em todos os setores da indústria só vai aumentar. Um estudo recente do Gartner afirma que, até 2020, dispositivos conectados com sistemas altamente tecnológicos vão assumir cargos que hoje são ocupados por seres humanos.

De acordo com o levantamento, as primeiras mudanças significativas começarão em 2015, data limite para que as empresas desenvolvam programas e políticas corporativas que consigam aliar trabalho humano e digital. As organizações que não se adequarem ao novo modelo operacional não conseguirão atingir metas de produtividade e lucro até 2020. O relatório aponta que essas mesmas companhias devem desaparecer do mercado até 2023.