Mandados de busca contra o Megaupload são considerados legais

Por Redação | 24 de Fevereiro de 2014 às 09h55

Um tribunal da Nova Zelândia considerou legítimas as operações de busca e apreensão de materiais que levaram à prisão de Kim Dotcom, em janeiro de 2012. O fundador do Megaupload apelava junto à justiça do país alegando que as ordens judiciais emitidas pelo governo dos EUA e cumpridas pelas autoridades locais eram vagas e resultaram no confisco de materiais que não era relevantes à investigação.

A validação é um passo importante no processo que pode resultar na extradição de Dotcom, que é acusado de praticar pirataria online e infringir uma série de leis relacionadas aos direitos autorais e distribuição de material ilegal. A primeira audiência sobre a questão está marcada para acontecer em julho.

Os advogados do criador do Megaupload já falaram que vão recorrer junto à Suprema Corte da Nova Zelândia. Além disso, aguardam decisão da justiça em relação à revelação prévia de quais evidências serão utilizadas contra o acusado em sua audiência de extradição, de forma que uma defesa possa ser composta de acordo com informações concretas.

Por outro lado, a corte neozelandesa considerou procedente uma segunda alegação de Dotcom. Em um processo separado, ele pede indenizações relacionadas ao fato de cópias do conteúdo encontrado em computadores e dispositivos obtidos pela justiça terem sido enviados para fora os Estados Unidos, como parte da investigação.

Além disso, a Nova Zelândia deve lidar com as informações de que seu próprio serviço de inteligência enviou informações sobre Dotcom e o Megaupload para agências americanas antes mesmo da obtenção dos mandados judiciais. A ação é considerada ilegal e pode dificultar o andamento do processo.

Importância futura

Segundo reportagem da Reuters, a legitimação dos mandados beneficia os procuradores americanos que são responsáveis pelo caso. De acordo com o processo que tramita na justiça do país, os estúdios de Hollywood e gravadoras afirmam que perderam mais de US$ 500 milhões por decorrência das operações do Megaupload, além de terem gasto mais de US$ 175 milhões em custos processuais para acabar com o serviço.

A medida também representa uma vitória quanto às leis internacionais de proteção aos direitos autorais, já que poderia gerar precedente para outras ações desse tipo, principalmente quando o suspeito dos crimes se encontra fora do território americano. Por outro lado, uma vitória judicial de Dotcom pode exibir uma mudança nas leis de distribuição de conteúdo online de forma a evitar mais problemas do tipo no futuro.

Segundo a defesa do acusado, o Megaupload pode ser comparado a um depósito real e, sendo assim, não deveria ser implicado criminalmente em processos relacionados ao conteúdo que era armazenado lá dentro. Já o departamento de justiça americano afirma que Dotcom incentivava o upload de material protegido e até mesmo pagava os responsáveis pela hospedagem de conteúdos populares, enquanto deletava aqueles que não traziam tráfego.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.