Fundação de Bill Gates financia pesquisas brasileiras

Por Redação | 29.10.2013 às 07:05

Três brasileiros receberão da Fundação Bill e Melinda Gates um aporte de U$ 100 mil. O dinheiro será investido em um projeto que estuda a aceleração do diagnóstico de parasitoses por meio de exames microscópicos e outros dois que visam facilitar plantações com técnicas de baixo custo.

Caso as ideias sejam bem-sucedidas, os investimentos nas pesquisas podem chegar a até um milhão de dólares. Além desses aportes, a Fundação Bill e Melinda Gates também firmou uma parceira com o governo brasileiro, que será oficializada pelo Ministro da Saúde Alexandre Padilha. A parceria está focada na realização de um acordo com a Fiocruz, visando à produção de uma vacina dupla contra sarampo e rubéola. De acordo com matéria veiculada na Folha de São Paulo, essa vacina também deve ser exportada para países da África.

Projetos contemplados

O primeiro projeto, desenvolvido pelo farmacêutico Floriano Paes Silva Júnior, busca a criação de um software capaz de interpretar imagens de parasitas realizadas a partir de um microscópio e, então, após esse primeiro passo, melhorar tanto o diagnóstico do que está acontecendo quanto qual medicamento deve ser receitado. Essa é uma ideia interessante, já que, atualmente, esse tipo de processo é realizado de forma manual, o que não garante resultados tão precisos.

Já o engenheiro agrônomo Mateus Marrafon trabalha no desenvolvimento de uma fita biodegradável que envolve as sementes, na plantação, garantindo espaçamento ideal para seu crescimento. Ideia simples e barata para a melhoria da tecnologia de plantio manual.

Por fim, o projeto do engenheiro mecânico Ricardo Capúcio de Resende é uma ferramenta que também auxilia no plantio. Trata-se de uma máquina, bem parecida com um carrinho de mão com duas rodas, que cava buracos no solo enquanto lança as sementes.