Universidade cria protótipo de e-reader em braile

Por Redação | 18 de Janeiro de 2016 às 09h39

Enquanto o mundo dos leitores digitais caminha de vento em popa, os deficientes visuais ainda estão fora desta onda, apesar de motivarem todo um mercado editorial próprio. Mas no que depender dos pesquisadores da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, isso está prestes a mudar, pois eles apresentaram um protótipo de e-reader capaz de converter o texto em braile para aumentar a acessibilidade.

Utilizando sistemas baseados em ar ou fluidos que movimentam pequenos pinos plásticos que ficam sob o display, o aparelho é capaz de atualizar sua superfície em cada página, convertendo texto em braile para leitura. É um método que, por exemplo, já foi utilizado antes em outros protótipos do mercado de smartphones, como uma forma de criar botões virtuais em telas sensíveis ao toque, ou como uma maneira de trazer texturas e aumentar as sensações no uso de tais dispositivos.

O problema da tecnologia, também encontrado na pesquisa feita pela universidade, é o alto custo de aparelhos dessa categoria. Os responsáveis pelo trabalho dizem já terem tido sucesso na atualização imediata do display e também na conversão de arquivos em braile tátil, restando apenas entender melhor a tecnologia e criar um gadget que seja acessível o suficiente para se tornar realidade.

Até o momento, deficientes visuais se apoiam em sistemas de leitura de tela para utilizarem smartphones e tablets. O mesmo vale para a indústria editorial, com os audiobooks sendo uma boa alternativa para a disponibilidade normalmente defasada de livros físicos em braile, algo que esse estudo pretende resolver.

Além disso, como mais uma forma de viabilizar o uso da novidade, os pesquisadores pensam em utilizar a tecnologia na criação de gráficos e planilhas que possam ser manipuladas efetivamente, além de também se tornarem acessível para deficientes visuais. Tudo, entretanto, ainda está em fase de projeto, e os trabalhos devem seguir até setembro.

Fonte: Yahoo