Walmart negocia a compra da loja virtual Jet.com

Por Redação | 03 de Agosto de 2016 às 17h14

O Walmart é uma das maiores redes físicas de varejo no mundo, mas também atua na web. E para ampliar a sua participação no comércio eletrônico, a companhia estuda adquirir um nome de peso do setor e que vem fazendo bastante sucesso nos Estados Unidos nos últimos dois anos: o site Jet.com.

A companhia foi criada por Marc Lore, Mike Hanrahan e Nate Faust em 2014. Após um aporte de US$ 820 milhões de quatro fundos de investimento dos quais participaram empresas como Google e Alibaba, a empresa lançou a sua plataforma em julho de 2015. Para se ter uma ideia do crescimento rápido da loja, atualmente ela já conta com mais de mil funcionários. Segundo informa o The Wall Street Journal nesta quarta-feira (3), o Walmart pode pagar até US$ 3 bilhões para adquiri o Jet.com.

O Jet.com funciona como um grande mercado online no qual é possível adquirir desde produtos de higiene pessoal até alimentos, móveis e decoração, produtos para animais, livros, acessórios, papelaria e muito mais. O grande apelo da loja é a venda de várias unidades do mesmo produto e também compras de um mesmo centro de distribuição, o que gera descontos para o consumidor e menos custos para a companhia na hora de agilizar o processo de entrega.

Estreante barulhenta

A Jet chegou planejando tomar o posto da Amazon de maior loja virtual do mundo e adota uma estratégia diferente da rival. Enquanto a Amazon trabalha com inúmeros armazéns para facilitar a distribuição dos seus produtos, a companhia chefiada por Lore trabalha junto a uma rede de diversos varejistas que envia os itens vendidos diretamente para os consumidores, no que ela chama de “modelo de loja híbrido”.

Para se ter uma ideia, dos 12 milhões de diferentes produtos cadastrados na plataforma no mês de junho, apenas 75 mil deles estava, de fato, sob posse da Jet em um dos seus três armazéns espalhados pelos Estados Unidos. Com isso, a empresa fica com uma comissão de 8% a 16% de tudo que é vendido e entregue por terceiros por meio de sua loja virtual.

Apesar de ter uma atuação ainda restrita, a Jet.com chegou fazendo barulho. Uma das razões foi o fato de o seu cofundador e presidente Marc Lore já ter feito um negócio milionário anteriormente: ele vendeu a Quidsi, empresa que abrigava vários sites de e-commerce, por US$ 545 milhões para a Amazon em 2010. Além disso, poucos meses depois de ser lançada, a Jet atraiu a atenção do mercado e mais US$ 500 milhões de investidores, elevando o seu preço para US$ 1 bilhão.

Fonte: The Wall Street Journal

Instagram do Canaltech

Acompanhe nossos bastidores e fique por dentro das novidades que estão por vir no CT.