T-Commerce: a união do e-commerce com a televisão

Por Colaborador externo | 20.07.2017 às 20:35
photo_camera Divulgação

Por Anselmo Martini*

Imagine comprar a jaqueta do ator do seriado de TV mais popular ou o batom da apresentadora enquanto você assiste ao seu programa favorito? Isso já é possível devido à tecnologia T-Commerce, que permite realizar compras enquanto assiste a programação do canal aberto. A grande questão é: o que é T-Commerce?

Trata-se de um modelo de negócio que une tecnologia e conteúdos pouco explorados que integra dois segmentos em franca expansão: TV somada a seus serviços de “streaming” e plataformas, e o tradicional e-commerce, que resultam na união do entretenimento com o mundo do comércio eletrônico. Com o passar dos anos e em uma velocidade cada vez maior, outras áreas da tecnologia se juntarão ao T-Commerce. Isso acontecerá porque hoje temos uma demanda de consumidores ávidos por novas experiências e facilidades que os permitam fazer parte desse novo mundo, não só com acesso rápido e com qualidade aos seus conteúdos favoritos, mas também a novas oportunidades de maximizar sua experiência multiplataforma com cada vez menos interrupções.

Essa tecnologia permite que o espectador adquira qualquer produto ou serviço exibido, desde itens eletrônicos, figurino dos apresentadores e entrevistados, objetos de cena e outros, sem precisar sair do canal ou do conteúdo que está assistindo. Essa funcionalidade já foi muito discutida como conceito e chegou inclusive a ser testada por algumas empresas. Porém, alguns obstáculos impossibilitaram sua implantação integral, entre eles a TV analógica, o nível de avanço da tecnologia em geral e a cultura do público.

Os avanços tecnológicos e o constante desenvolvimento de novas soluções ligadas ao entretenimento são fatores que contribuem para o crescimento do mercado de T-Commerce no país. A TV Digital, por exemplo, conta com muitos recursos que permitem uma maior interatividade e que novos campos sejam explorados.

O T-Commerce é um deles, inclusive por ser um canal que possibilita uma nova fonte de receitas financeiras para emissoras, serviços de streaming, marcas, e-commerces e produtores de conteúdo independentes, além de fornecer novas oportunidades de marketing para as marcas e produtos, sem prejudicar a experiência de entretenimento do consumidor atual.

Esta possibilidade de conexão rápida entre marca e usuário cria diversas possibilidades de vendas que não ocorrem hoje nos meios tradicionais de publicidade televisiva, assim como os anúncios publicitários que são rapidamente esquecidos sem interação.

Por fim, o T-Commerce já chegou ao país, mas ainda há um longo caminho a ser percorrido. O mais desafiador é mostrar ao mercado televisivo que essa solução existe para agregar receita gerando dados a todos os envolvidos e que não é um concorrente, mas sim um aliado. Para isso, ainda é preciso educar o espectador para consumir a tecnologia, da mesma maneira que fizemos nos primórdios do e-commerce, quando era grande o receio de fazer compras pela internet. E aí, está ansioso para usufruir dessa novidade?

*Anselmo Martini é Vice-Presidente de Marketing Global do grupo CinemallTec, responsável pela plataforma Cinemall, tecnologia desenvolvida pela empresa que permite a integração de produtos, marcas e serviços diretamente no conteúdo nas mais variadas plataformas, tais como sites, smartphones, tablets e Smart TVs (em breve).