Amazon está prestes a vender mais que livros no Brasil

Por Redação | 06 de Setembro de 2017 às 10h49

Cinco anos depois de desembarcar no Brasil, a Amazon finalmente parece prestes a expandir sua atuação no país para além dos livros. É o que mostra, pelo menos, uma série de vagas de emprego publicadas pela companhia, que está em busca de profissionais de logística, varejo e especialistas em tributação.

Como livros são produtos isentos de impostos de importação, somente por aí já dá para imaginar que a Amazon prepara sua expansão para novos mercados. E então veio a confirmação do próprio gerente regional da empresa, Alex Szapiro, que não falou diretamente sobre o assunto, mas deu a entender que as vagas em aberto revelam um pouco dos planos da companhia para o Brasil.

Segundo o executivo, a gigante do e-commerce não fala em projetos de expansão ou novas atividades. Mas é claro que, em sua presença no Brasil, a Amazon não vai trabalhar somente com livros e os rumores sobre a entrada em outros setores já são antigos. Agora, entretanto, parece que é para valer.

A empresa cresceu seu espaço físico, passando de quatro andares para seis em sua sede, na cidade de São Paulo (SP). Além disso, com as contratações deve expandir sua cobertura para outros setores, em um processo que deve levar de quatro a seis meses devido à complexidade do processo seletivo imposto pela matriz internacional.

Recentemente, a Amazon abriu, no Brasil, sua plataforma de marketplace, permitindo que outras lojas ofertem seus produtos a partir da infraestrutura da gigante. Como o único negócio atual são livros, apenas sebos e livrarias podem fazer parte dessa empreitada, que amplia o rol de produtos disponíveis e a variação de preços, na medida em que garante disponibilidade maior de estoque.

Não dá para saber ainda, entretanto, se esse será o caminho rumo à expansão das atividades. O interesse em profissionais do ramo tributário pode indicar, para felicidade de muitos, a entrada no Brasil de produtos somente vendidos nos EUA, mas, a nós, resta apenas esperar para saber exatamente o que a Amazon está planejando.

Fonte: Folha de S.Paulo