Mobile commerce ainda engatinha no Brasil, mas está ganhando impulso

Por Redação | 23.09.2013 às 10:35

O comércio eletrônico móvel ainda está dando seus primeiros passos no Brasil, mas o intenso crescimento da adoção de celulares no país e o amadurecimento do mercado de comércio eletrônico estão ajudando a empurrar a quantidade de compras móveis para cima.

Ao analisar o cenário do e-commerce no Brasil em junho deste ano, a e-bit, fornecedora de dados do comércio eletrônico no país, percebeu que as compras feitas por meios de dispositivos móveis equivalem a apenas 3,6% do total de transações realizadas no comércio eletrônico durante o mês.

Mas, embora isso ainda represente uma parte pequena, o número revela um salto significativo desde o início de 2010, quando essa porcentagem era nula. De acordo com os dados do e-bit, que mediu o crescimento do m-commerce a cada seis meses, o aumento foi de 100% e 200% durante alguns trechos semestrais ao longo dos anos anteriores.

Mobile commerce no Brasil

Os principais obstáculos para as compras móveis no Brasil parecem não estar bem definidos, mas muitos dados apontam para algo relacionado ao investimento varejista nos dispositivos. Um estudo do Google, realizado em fevereiro de 2013, descobriu que carregamentos de páginas demorados foram a principal barreira para compras móveis – elemento citado por 32,1% dos usuários brasileiros de smartphones pesquisados. Embora isso possa ser parcialmente um reflexo das redes de dados extremamente limitadas que o Brasil oferece, é algo que poderia ser resolvido pela criação de lojas online que exijam baixa largura de banda na versão mobile de seus sites.

Da mesma forma, soluções de design responsivo poderiam ajudar a superar os tamanhos de telas pequenas em smartphones, que foram acusadas por 29,2% dos usuários de telefones inteligentes como uma barreira na hora de comprar produtos online. Um novo design também pode ajudar com a falta de descrição dos produtos ou serviços, o que foi classificado como o terceiro principal motivo para a renúncia de compras móveis no Brasil.

Apesar da baixa penetração do m-commerce e das inúmeras barreiras apontadas pelos compradores móveis, os proprietários de smartphones que adotam essa prática estão convencidos de sua eficácia. O estudo do Google mostrou que 40,8% dos compradores móveis do Brasil já fizeram compras por meio destes dispositivos pelo menos uma vez por semana, e 23% o fizeram pelo menos uma vez por dia.

Frequência compras móveis

Conforme destaca o eMarketer, os dispositivos móveis certamente apresentam limitações comerciais digitais maiores que os computadores. Mas a absorção significativa de smartphones no Brasil, associada à tendência crescente do comércio eletrônico no país, deve motivar os varejistas a dedicar um esforço ainda maior às lojas virtuais, na esperança de atrair compradores móveis mais receptivos.